nsc
dc

Crime

Após apologia ao nazismo, estudantes de Criciúma são suspensos de escola

Caso aconteceu há três meses, mas vídeo foi publicado em rede social na quarta-feira (25)

27/08/2021 - 07h26 - Atualizada em: 27/08/2021 - 13h45

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Caroline
Por Caroline Borges
Estudantes foram suspensos após a divulgação das imagens
Estudantes foram suspensos após a divulgação das imagens
(Foto: )

Uma escola particular de Criciúma, no Sul catarinense, suspendeu um grupo de alunos no 9º ano flagrados fazendo apologia ao nazismo. As imagens foram divulgadas em redes sociais na quarta-feira (25) e mostram os estudantes fazendo uma saudação nazista. Segundo o colégio, o caso aconteceu há três meses.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Pelo menos seis alunos aparecem nas imagens. Eles estão dentro de uma sala de aula e fazem a saudação quando um professor chega ao local. 

Em nota, a direção do Colégio da Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina (Satc) disse repudiar e não compactuar com a atitude dos alunos (veja íntegra abaixo).

O texto publicado na quinta-feira (26), informa ainda que a instituição tomou medidas como “a suspensão de alunos, advertências e a realização de uma reflexão sobre o nazismo e o quanto esse regime foi pavoroso para a história humana”.

O colégio informou que três alunos foram suspensos e os demais, que estavam na sala, foram advertidos. O caso aconteceu no intervalo de uma aula. Segundo a instituição, os estudantes confirmaram a participação no vídeo.

O professor que aparece nas imagens, segundo a escola, advertiu a turma após o ato. O educador teria ainda promovido uma reflesão entre os alunos sobre o nazismo. O Satc negou que ele fosse judeu. 

Apologia ao nazismo é crime. A Lei 7.716/1989 prevê pena de até cinco anos para quem fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos nazistas. 

Demissão de professor causou polêmica

Essa é a segunda polêmica da semana envolvendo a área de educação em Criciúma. Na quarta-feira, o prefeito Clésio Salvaro (PSDB) anunciou a demissão de um professor temporário da rede municipal que passou aos alunos o clipe do cantor Criolo, da música "Etérea". O vídeo tem temática LGBTQIA+.

> Catedral de Criciúma é pichada em protesto contra fala do prefeito considerada homofóbica

Nas redes sociais, o político disse que a administração não concordava com o conteúdo "erotizado" e a "viadagem na sala de aula".

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) instaurou um procedimento para apurar possível prejuízo à dignidade humana de caráter coletivo.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação afirmou que o conteúdo, que classificou de inapropriado, não faz parte do plano de ensino. Por isso, "medidas cabíveis em relação ao assunto foram tomadas, o profissional não faz mais parte do quadro de professores".

Veja íntegra da nota

NOTA OFICIAL DA SATC

A Direção da Satc vem publicamente registrar seu repúdio a qualquer ato de apologia ao nazismo. Esclarecemos, ainda, que a situação que envolveu um grupo de alunos de uma turma do nono ano, aconteceu em determinado momento em que os adolescentes fizeram referência a uma simbologia de saudação nazista.

Apologia ao nazismo é crime! Repudiamos e não compactuamos de nenhuma forma com tais atitudes. Deste modo, as providências cabíveis foram tomadas, com a suspensão de alunos, advertências e a realização de uma reflexão sobre o nazismo e o quanto esse regime foi pavoroso para a história humana.

Queremos salientar que o professor envolvido no caso não é Judeu, ele foi o primeiro a advertir a turma e como exemplo, fez uma reflexão com eles como se ele fosse um Judeu para perceberem quão aquele ato repetido pelos alunos impactou e ainda impacta na vida de muitas pessoas.

Finalizamos lembrando que somos uma instituição de ensino que tem como missão, transformar a vida das pessoas por meio da educação e seguiremos firmes neste propósito.

Casos de apologia ao nazismo em SC não são isolados

Leia também 

Busto de Hitler: venda de objetos nazistas gera denúncia em cidade de SC; veja

Bandeira nazista é balançada por homem em prédio de Florianópolis; Polícia Civil investiga

Apesar de apologia ao nazismo ser crime, casos em Santa Catarina não são punidos

Colunistas