nsc
hora_de_sc

Inundação

Famílias atingidas por rompimento de lagoa em Florianópolis serão ressarcidas pela Casan

Ao menos 70 pessoas foram retiradas de suas casas após rompimento de lagoa artificial

26/01/2021 - 00h00 - Atualizada em: 26/01/2021 - 08h53

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Carros foram encobertos pela água e moradores ficaram ilhados
Carros foram encobertos pela água e moradores ficaram ilhados
(Foto: )

As pessoas que ficaram ilhadas em suas casas ou que tiveram seus veículos encobertos pela água após o rompimento de uma lagoa artificial utilizada pela Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), que provocou inundações e o bloqueio da principal rua na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, serão ressarcidas pela empresa.

A informação foi confirmada pela presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos, em entrevista à CBN Diário:

— A gente está com a equipe de assistente social e psicólogo da empresas, todos os danos são levantados e a Casan faz o ressarcimento — disse.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Casas foram invadidas pela água na Lagoa
Casas foram invadidas pela água na Lagoa da Conceição
(Foto: )

Por volta do meio-dia, o prefeito da Capital, Gean Loureiro publicou no Twitter que o muncípio cobraria da Casan o prejuízo dos particulares. 

Em nota, a companhia também informou que os profissionais permaneceram durante todo o dia "em campo" para o levantamento dos danos materiais, além de orientações aos moradores, e disponibilizou um telefone (98425-2743) para que as famílias que deixaram o local entrem em contato. 

A empresa, no entanto, ainda não esclareceu como será feita a restituição dos danos materiais causados pela ruptura da estrutura da Casan. 

O alagamento deixou ao menos 70 pessoas desalojadas e uma com ferimentos leves. A inundação atingiu principalmente a Servidão Manoel Luiz Duarte, que fica abaixo da lagoa, e extravasou também a Avenida das Rendeiras, uma das principais vias da região. A rua ficou bloqueada durante todo o dia, enquanto equipes trabalhavam para desobstruir a passagem. O tráfego foi liberado pouco antes das 19h no local. 

Investigação

A ruptura das margens da lagoa artifical será investigada pela Polícia Civil de Santa Catarina. O inquérito foi instaurado pela Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic). 

Segundo o G1SC, o Ministério Público Federal (MPF) também instaurou inquérito civil para "investigar se houve desleixo com a manutenção do sistema e com o plano de risco, bem como identificar responsabilidades e formas de reparação à sociedade e ao meio ambiente". O órgão busca apurar as responsabilidades pelo rompimento da lagoa da Estação de Tratamento de Esgoto.

Leia também

Investigação apura suposto desleixo da Casan na Lagoa da Conceição, na Capital

Alagamento na Lagoa da Conceição deixa ao menos 70 pessoas desalojadas

Entenda por que vem chovendo tanto nos últimos dias em Santa Catarina

Colunistas