nsc
nsc

FInanças

Fintechs cresceram 34% em 2020, democratizando os serviços financeiros no Brasil

Startups que oferecem crédito imobiliário se multiplicaram e já são 14,4% do setor

02/07/2021 - 11h01

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Keycash é uma fintech de crédito imobiliário
Keycash é uma fintech de crédito imobiliário
(Foto: )

Não é de hoje que a tecnologia vem revolucionando os serviços bancários, mas nada se compara ao que vem acontecendo nos últimos anos: de acordo com dados do Distrito Fintech Report 2020, o número de fintechs apresentou um crescimento de 34% no Brasil em relação ao ano anterior.

> É possível que um endividamento seja saudável?

Entre as principais razões para esse salto está a adesão dos clientes de classe C e D. Devido à democratização dos serviços bancários e de crédito, despontou o interesse e a atenção a um consumo mais consciente: como indica uma análise realizada pela plataforma CB Insights, as fintechs serão responsáveis por intensificar a educação financeira dos usuários, que têm acesso mais fácil ao mercado de investimentos, financeiras e serviços de cartões de crédito por meio das plataformas.

O termo fintech, união entre as palavras em inglês financial (financeiro) e technology (tecnologia), designa as empresas e startups que desenvolvem serviços, produtos e soluções totalmente digitais para transações financeiras. Segundo o relatório do Distrito, em 2020 o Brasil contava com 998 fintechs; em 2018, eram apenas 377, conforme mapeamento realizado na época pela Finnovation. Isso representa um crescimento de 264,7% no número de empresas e startups no setor em apenas dois anos.

> Busca pelo bem-estar na pandemia desperta desejo de mudança na vida pessoal e profissional

As fintechs, no entanto, não se resumem apenas aos bancos digitais. Esse segmento é formado por empresas de diferentes modalidades e que oferecem inúmeros serviços, como:

Pagamento

As fintechs que oferecem esse serviço funcionam como um banco simplificado, e podem trabalhar com cartões de crédito, maquininhas e também com contas digitais.

Crowdfunding

Também conhecido como “financiamento coletivo”, é uma forma de realizar levantamento de capital independente. As plataformas que atuam nesse segmento são como “vaquinhas virtuais”, e os interessados contribuem para o custeio de projetos.

Controle financeiro

Servem como plataformas de organização, controle e educação financeira. Por meio de planilhas, gráficos, orçamentos e outras funções, essas fintechs ajudam o usuário a usar o dinheiro de forma mais consciente.

Investimentos

Funcionam como bolsas de valores digitais, com investimentos atrelados ao mercado financeiro, imobiliário, de câmbio ou criptomoedas.

Concessão de crédito

Tem como foco a realização de empréstimos por meio de modalidades como o refinanciamento imobiliário. Com praticidade e rapidez, atuam como financeiras e foram regulamentadas em 2018.

> O que esperar do Mercado Imobiliário de Florianópolis para os próximos anos

Os bancos tradicionais também acompanharam esse movimento para o digital, desenvolvendo os próprios aplicativos, sites e serviços de internet banking. Hoje, novas funcionalidades, como a transferência instantânea feita pelo PIX, vêm sendo apresentadas conforme o público se adapta cada vez mais ao ambiente digital, mas, por não serem nativos digitais como as fintechs, muitos dos serviços ainda dependem da visita à uma agência física.

Fintech ou banco tradicional?

A principal diferença entre uma fintech e um banco tradicional é a presença digital. Quando se abre uma conta ou se solicita um serviço em uma , todas as operações são feitas de forma virtual, por um site ou aplicativo: desde a abertura da conta em si até a solicitação de cartões, transferências, geração e pagamento de boletos, e até mesmo investimentos e solicitação de empréstimos. Muitos dos bancos digitais, corretoras de investimentos e plataformas de crédito não possuem agência física e funcionam como uma plataforma, que pode ser acessada pelo computador ou pelo celular.

Uma das maiores preocupações de quem se sente relutante em aderir às fintechs é com a segurança. Mas, exatamente por serem nativas digitais, as empresas desse segmento costumam estar sempre na ponta das tecnologias de segurança da informação, a partir do desenvolvimento de sistemas que garantem que os dados dos usuários sejam preservados, evitando ataques ou vazamentos, além de assegurar que as transações sejam efetuadas de forma segura.

> IGP-M: entenda por que a inflação do aluguel disparou em 2020

Além disso, a possibilidade de realizar as transações e receber atendimento online é um dos principais atrativos das fintechs, que vêm caindo no gosto do público pela praticidade e agilidade que oferecem. Com poucos cliques, é possível começar a se organizar melhor financeiramente, criar uma “vaquinha” em um crowdfunding ou fazer uma solicitação de empréstimo.

Crédito imobiliário

Em 2020, o saldo das operações de crédito no país atingiu R$ 4 trilhões, o que representou um crescimento de 15,5%, de acordo com o Banco Central (BC). Os bancos brasileiros mais tradicionais ainda são responsáveis pela maioria dessas negociações — em 2019, 83,7% das operações foram realizadas por cinco das maiores instituições do país —, mas as fintechs também vêm ganhando força no segmento.

Hoje, as fintechs de crédito correspondem a 14,4% desse setor no Brasil. São 142 empresas que se dividem entre as de oferta direta (52), marketplaces (44), antecipação de recebíveis (24), P2P (16) e consórcios (6). Mesmo que as fintechs tenham passado a ganhar mais espaço a partir de 2015, foi só em 2018 que as empresas voltadas para soluções de crédito passaram a ter um crescimento acelerado, especialmente após a publicação de duas resoluções do BC que dispõem sobre a sociedade de crédito, em abril de 2018.

Para além da comodidade de poder receber todo o atendimento online, a qualquer hora do dia, as fintechs de crédito costumam oferecer taxas de juros mais baixas e condições de pagamento melhores que os bancos tradicionais. A Keycash, fintech líder no segmento de crédito com garantia de imóvel (CGI), permite que seja feita uma simulação de crédito em poucos passos, tanto no app quanto no site.

> Abrir uma empresa em menos de três horas? É possível; confira o ranking de SC

Na modalidade CGI, é necessário ter um imóvel quitado para oferecer como garantia. Também chamado de refinanciamento de imóvel, essa transação permite que o capital adquirido seja utilizado da forma como o cliente desejar, seja para quitar dívidas, investir em um negócio ou realizar outros projetos.

Para fazer a simulação, basta apenas acessar o site da Keycash e inserir os dados do imóvel. Em seguida, é só escolher entre as opções oferecidas e enviar a solicitação de crédito para receber uma proposta. Esse procedimento é feito de forma rápida, prática e simples, e o dinheiro fica disponível na conta com o menor prazo do mercado.

A Keycash oferece crédito imobiliário e taxas de juros mais baixas, valores de prestação menores e prazos para pagamentos mais longos.

Leia também

Mercado imobiliário: SC possui três das dez cidades com maiores preços médios por venda

Auxílio emergencial de R$ 900 é aprovado em SC; saiba os detalhes

Estilo de vida de Mariah inspira: Saiba como é viver no bairro Pedra Branca

Colunistas