nsc
dc

Desrespeito

Gerente que foi trabalhar com Covid-19 em mercado de Chapecó é alvo da fiscalização

Um boletim de ocorrência foi registrado contra mulher, que também foi notificada pela Vigilância Sanitária; Polícia apura o caso

30/03/2021 - 16h59 - Atualizada em: 30/03/2021 - 17h10

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Foto meramente ilustrativa, tirada durante decreto de lockdown
Foto meramente ilustrativa, tirada durante decreto de lockdown em Chapecó
(Foto: )

Uma denúncia levou equipes de fiscalização até um mercado do bairro Universitário, em Chapecó, no Oeste catarinense, na tarde dessa segunda-feira (29), para averiguar a informação de que uma mulher diagnosticada com coronavírus trabalhava em um mercado normalmente, mesmo com a determinação de isolamento social obrigatório.

> Após flagrar paciente com Covid-19 na rua, profissional de saúde de SC faz apelo em áudio

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Segundo informações da Polícia Civil, a paciente, que tinha atestado de 10 dias por conta da Covid-19, teria ignorado as regras sanitárias e ficado em contato com clientes e demais funcionários. Após receber a denúncia, os agentes foram até o endereço. 

Quando a equipe chegou no local, por volta das 16h de segunda, a mulher estava em casa, que fica em anexo ao estabelecimento, mas os pertences da funcionária foram encontrados no estabelecimento.  

Em nota, a Polícia Civil disse que "o comportamento desta pessoa colocou em risco sua família, funcionários, e clientes do estabelecimento comercial". 

> Menino de Chapecó perde 15 kg de quase 200 kg após cirurgia e continua luta contra doença rara

Ela e seus familiares foram notificados pela Vigilância Sanitária, devido o descumprimento das regras de saúde. Um boletim de ocorrência também foi registrado contra a mulher, que é gerente no estabelecimento. O caso é apurado pela investigação.

Leia também

Sete crianças morrem por Covid-19 em menos de 30 dias em Santa Catarina

Oito a cada 10 pessoas intubadas com Covid no Brasil na segunda onda morreram, aponta estudo

Colunistas