nsc
    dc

    Saúde

    Governo Bolsonaro libera estudo sobre privatização de unidades básicas do SUS

    Decreto que inclui a política de atenção primária em saúde dentro do escopo de interesse do programa foi publicado no Diário Oficial da União

    28/10/2020 - 07h56 - Atualizada em: 28/10/2020 - 15h22

    Compartilhe

    Folhapress
    Por Folhapress
    Presidente Jair Bolsonaro
    Presidente Jair Bolsonaro
    (Foto: )

    Tidas como porta de entrada do SUS, unidades básicas de saúde entraram na mira de um programa de concessões e privatizações do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos). Um decreto que inclui a política de atenção primária em saúde dentro do escopo de interesse do programa foi publicado na terça-feira (27) no Diário Oficial da União. 

    A medida gerou reação de especialistas e entidades em saúde, que temem uma "privatização" na área, hoje um dos pilares do atendimento no sistema público. O decreto é assinado pelo presidente Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. 

    > Senadores de SC avaliam decreto do governo para explorar concessão de unidades básicas do SUS

    > Governo tenta conter crise gerada por decreto que explora concessão de UBS

    Na prática, o texto prevê que sejam feitos estudos "de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de unidades básicas de saúde". A ideia do governo é estruturar projetos-piloto para esse tipo de parceria. A seleção ficaria a cargo da Secretaria Especial do PPI no Ministério da Economia – no decreto, não há menção ao Ministério da Saúde. 

    A reportagem questionou se a pasta havia sido comunicada da iniciativa, mas não recebeu resposta até então. 

    > Cidades da Grande Florianópolis reforçam fiscalização para impedir aglomerações no feriado de Finados

    Segundo o PPI, o principal ponto do projeto é "encontrar soluções para a quantidade significativa de unidades básicas de saúde inconclusas ou que não estão em operação no país". Questionado sobre qual seria a contrapartida ao setor privado, o programa disse apenas que a medida está em análise de possíveis "modelos de negócios". 

    "Importante destacar que caberá ao PPI coordenar os esforços em busca da construção de modelos de negócios, mas a condução da política pública será realizada pelo Ministério da Saúde. Não se trata de delegar ao privado as funções de Estado, mas de aprimorar a prestação de serviços", informa. 

    > PF conclui que Moisés não cometeu crime na compra dos respiradores

    O órgão diz ainda que trabalhará com o Ministério da Saúde e ao BNDES na definição de diretrizes para elaboração dos projetos, para, em seguida, selecionar municípios e consórcios "que tenham interesse nessas parcerias". 

    "Sabemos do desafio de levar mais infraestrutura e serviços de qualidade a diversos municípios do Brasil e acreditamos que o modelo de PPPs será chave para alcançarmos os resultados que a população tanto merece", afirmou, também em nota, a secretária especial do PPI, Martha Seillier. 

    > Policial de Blumenau expõe dados e ameaça jovem que fez acusação sem provas nas redes sociais

    Ainda não há estimativa de quantas unidades podem ser incluídas nessas parcerias. Atualmente, o país tem 44 mil unidades básicas de saúde. A reportagem questionou quantas outras estão fechadas ou não tiveram obras concluídas, mas não teve resposta até o momento. 

    A possibilidade de abrir espaço para o setor privado na construção e funcionamento destes postos, no entanto, tem gerado reação de especialistas e entidades na área da saúde. 

    > "Entendo que vacina não é questão de Justiça, é questão de saúde", diz Bolsonaro

    > Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    Conselho Nacional de Saúde avalia eventuais medidas legais

    Em vídeo divulgado nesta terça, o presidente do Conselho Nacional de Saúde, Fernando Pigatto, disse ver na medida uma privatização dos postos de saúde. Segundo ele, o conselho realiza uma análise de eventuais medidas legais diante do caso. 

    Para Gulnar Azevedo, presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), a situação é "preocupante". 

    > Com camisa do Figueirense e ao lado de cão, Bolsonaro ironiza vacina contra coronavírus

    - Embora coloque como estudo-piloto, as coisas começam assim. Isso é a porta aberta para a desconstrução do SUS. Não se sabe se vão respeitar as condições do sistema - afirma Gulnar, que questiona a falta de consulta, pelo governo, a entidades de saúde sobre a proposta.

    Avaliação semelhante sobre os riscos da medida é apontada por Ricardo Heinzelmann, da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), que reúne médicos que atuam na atenção básica. Para ele, a situação ameaça políticas nacionais que ocorreram pela atenção básica – caso da Saúde da Família, que ajudou a reduzir indicadores de doenças crônicas e mortes no país.

    > Bolsonaro fala em traição e nega compra de vacina chinesa

    - Qual seria o interesse do setor privado para atuar nesse nicho do mercado? - questiona. - Há risco de se perder ações importantes da saúde da família, como a abordagem comunitária. Falamos de uma população vulnerável - completa. 

    Heinzelmann vê uma diferença na proposta em relação ao modelo das OSS (organizações sociais de saúde), que funcionam em parte do país. 

    > ''Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina'', diz Bolsonaro

    - As OSs não constroem, enquanto a PPP vai além nisso: ele poderia construir e ser como um proprietário daquele serviço. Há um avanço maior no campo da privatização quando falamos nessa lógica - diz. 

    Questionado sobre os riscos apontados pelos especialistas, o Ministério da Saúde não respondeu.

    Leia mais

    Painel do Coronavírus: veja em mapas e gráficos a evolução dos casos em SC

    O vírus está nas roupas, nos sapatos, no cabelo ou no jornal? Entenda

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas