nsc
an

Joinvilense de ouro

Joinvilense Talisson Glock vence os 400m livre e conquista primeiro ouro em Tóquio

Talisson já tinha conquistado duas medalhas de bronze nas Paralimpíadas de Tóquio

02/09/2021 - 08h48 - Atualizada em: 02/09/2021 - 14h18

Compartilhe

Por Sabrina Quariniri
Talisson já havia conquistado duas medalhas de bronze na modalidade
Talisson já havia conquistado duas medalhas de bronze na modalidade
(Foto: )

O joinvilense Talisson Glock surpreendeu mais uma vez e conquistou a medalha de ouro nos 400m livre da classe S6 (para atletas com deficiências físicas). O atleta, de 26, já tinha conquistado dois bronzes nas Paralimpíadas de Tóquio.

Talisson, que saiu na frente nas eliminatórias, fechou a final em 4min54s42, pouco mais de um segundo à frente do italiano Antonio Fantin, atual campeão mundial (4min55s70), conforme informações do ge. O bronze ficou com o russo Viacheslav Lenskii (5min04s84).

- Essa distância é minha especialidade. Estava nela minha oportunidade de ser campeão paralímpico. Eu venho focando nos 400m livre por cerca de dois anos - comentou ao ge.

Outras medalhas

Na quarta-feira (1), o joinvilense já havia subido no pódio e, numa disputa apertada, levou a melhor nos 100m livre. Talisson também levou a melhor no revezamento 4x50m livre misto 20 pontos, junto de Patrícia Santos, Daniel Dias e Joana Maria. Ele foi quem fechou o revezamento e segurou a terceira posição para a equipe brasileira.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O ouro conquistado pelo atleta foi o sétimo da natação paralímpica em Tóquio e o primeiro de sua carreira. A modalidade soma, até o momento, 21 medalhas.

- É um momento muito especial para mim, algo único. Estou muito feliz - disse.

Leia também

Celsinho, do Londrina, relata caso de racismo em jogo contra o Brusque

Brusque nega racismo contra Celsinho, cita "oportunismo" e acusa jogador de "perseguição"

Brusque pede desculpas por nota sobre racismo e chama comunicado de "infeliz"

"SC tem projeto social de exclusão dos negros", diz Conselho das Populações Afrodescentes

Setor interditado da Arena Joinville não tem previsão de liberação

Colunistas