Após supressões da vegetação nativa e construção irregular no entorno da Estação Ecológica de Carijós, localizada no Norte da Ilha de Santa Catarina, a 6ª Vara Federal de Florianópolis expediu uma liminar que determina a um réu particular que não faça mais intervenções na área ambiental.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O documento atende a um pedido do Instituto Chico Mendes de Conversação da Biodiversidade (ICMBio). A instituição alega que o terreno ocupado pelo réu é área de preservação permanente e que foram verificados cortes de vegetação nativa da Mata Atlântica, perda de habitat para fauna e flora do local, construção de casa e muro, alterações topográficas e outras intervenções e impactos ecológicos proibidos pela legislação ambiental, como avanço da construção sobre a transição de manguezal.

De acordo com a decisão da Justiça, “há elementos suficientes nos autos indicando a configuração de danos ambientais na área descrita na petição inicial, bem como o não atendimento, pelo autuado, da determinação de apresentação de Projeto de Recuperação de Área Degradada (Prad) para aprovação pelo ICMBio”, considerou a juíza Marjôrie Cristina Freiberger nesta segunda-feira (18).

Dia do Meio Ambiente: Como SC enfrenta o desmatamento e avança na proteção

Continua depois da publicidade

A liminar ainda determina a fixação de uma placa no local, informando sobre a existência da ação, que tem como objetivo a recuperação da área degradada. Da decisão, cabe ao réu recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Leia também

Cidade de SC vai ferver com ondas de calor até 2050

“Ameaça legislativa” é risco número um para o meio ambiente

NSC reconhece iniciativas e personalidades com o Prêmio Floripa Faz Bem; conheça os vencedores

Destaques do NSC Total