A Justiça determinou, nesta quinta-feira (27), a suspensão das regras que mudariam o entendimento sobre as áreas de restingas em Santa Catarina. Na quarta, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE-SC) havia anunciado que as mudanças poderiam vir a afetar a situação dos imóveis litorâneos e causar prejuízo à ordem pública econômica e, por isso, recorreu à decisão. Ainda nesta quinta, o Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) publicou nova portaria.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Na decisão judicial foi considerada, então, a restinga como “área de preservação permanente apenas quando é fixadora de dunas ou estabilizadora de mangues, afastando a incidência da Resolução nº 303/2002 do Conama para fins de área de preservação permanente” — ou seja, adotando a interpretação do artigo 4º, inciso VI do Código Florestal.

O governador Jorginho Mello disse que prevaleceu o bom senso.

— Graças à ação rápida da nossa Procuradoria, a situação não passou de um grande susto e os catarinenses do litoral podem seguir suas vidas normalmente — afirmou.

Continua depois da publicidade

A discussão entre as partes começou depois que o IMA publicou a portaria 165/2023, que passava a considerar todas as restingas existentes no Estado como área de preservação permanente (APP). O novo texto classificaria como APPs as faixas de 300 metros contados a partir da linha preamar máxima, ou seja, a partir do ponto atingido pela maré alta. Isso, ainda, independia de existir vegetação ou não.

Com isso, imóveis litorâneos das principais cidades turísticas catarinenses, como Florianópolis e Balneário Camboriú, poderiam ser afetados. Na Capital, por exemplo, toda a extensão da Avenida Beira-Mar Norte, que abrange os bairros Centro e Agronômica, seria atingida. Em Balneário Camboriú, a área litorânea localizada na Praia Central, que tem o metro quadrado mais caro do país, também estaria entre as afetadas. As cidades de Itapema, passando por bairros como Morretes e Centro, além da Beira-Mar de São José estavam na lista também.

Nova decisão do IMA

No começo da noite desta quinta, o IMA publicou nova portaria (170/2023), retomando a aplicação do artigo 4º, inciso VI do Código Florestal, que considera como Área de Preservação Permanente apenas as restingas fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues.

Leia também

Lagoa da Conceição em Florianópolis não tem mais área para ser urbanizada

Canasvieiras, Rio Vermelho e Campeche são os bairros de Florianópolis com mais áreas livres para construir; veja lista

Continua depois da publicidade

Resort de meio bilhão e com ondas artificiais já tem data para ser inaugurado em SC: veja fotos

Destaques do NSC Total