nsc
dc

Processo

Mãe vai processar Bolsonaro após filho ser internado com Covid-19

Mulher afirma que entrará com a ação contra o presidente da República por danos morais

01/07/2021 - 09h43 - Atualizada em: 01/07/2021 - 11h00

Compartilhe

Metrópoles
Por Metrópoles
Maíra Recchia é advogada
Maíra Recchia é advogada
(Foto: )

Maíra Recchia, de 40 anos, afirma que vai processar o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), por danos morais. O motivo: omissões praticadas durante a pandemia de Covid-19. A mulher quase perdeu o filho, de apenas 13 anos, em decorrência do vírus.

> Acesse para receber notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Em entrevista ao Uol, Maíra afirmou que começou a avaliar a possibilidade de responsabilizar o governo enquanto ainda estava no hospital cuidando do filho, e que pretende entrar com uma ação por dano moral e material contra Bolsonaro.

A mulher explica que o processo se dará, porque se trata de uma premissa do direito administrativo brasileiro, com base na “responsabilidade objetiva”.

“Mesmo em se tratando de responsabilidade subjetiva, quando se fala de culpa, por exemplo, os requisitos também estão presentes porque houve deficiência no atendimento das pessoas, falta de informação e ausência de ferramentas de vacinação e contenção da propagação da Covid, sendo que é obrigação do Estado dispensar um tratamento digno e eficiente a todos, inclusive por recomendação de protocolos nacionais e internacionais”, explicou Maíra ao Uol.

> Superpedido de impeachment contra Bolsonaro é apresentado por oposição e movimentos sociais

Em um publicação nas redes sociais, a advogada agradeceu aos médicos e familiares que prestaram apoio à ela e ao filho durante os oito dias de internação no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

"Não dá para medir o que eu vivi nestes últimos dias com meu filho diagnosticado com Covid-19: medo, pânico, superação, força, cada vez mais amor, dedicação e devoção", escreveu na publicação.

Leia mais no Metrópoles, parceiro do NSC Total

Leia também

Quem é Roberto Ferreira Dias, acusado de pedir propina por vacina

Terras indígenas: STF adia outra vez o julgamento do marco temporal

Neve em SC no meio da tarde surpreende turistas: "Lindo e emocionante"

Atirador recebeu R$ 38 mil para matar catarinense em Curitiba, diz polícia

Colunistas