nsc
hora_de_sc

Meio ambiente

Mais de 40 dias após morte de peixes, Florianópolis libera banho e consumo de pescados na Lagoa da Conceição

Decisão conjunta entre Floram e IMA ocorre após análises da água e monitoramento na região

08/04/2021 - 05h00 - Atualizada em: 08/04/2021 - 17h12

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Lagoa da Conceição
Lagoa da Conceição recebe turistas durante todo o ano
(Foto: )

O consumo de pescados e o contato com as águas da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, estão liberados após mais de 40 dias de recomendação para que fossem evitados. Os órgãos ambientais haviam advertido pescadores e banhistas sobre os riscos no final de fevereiro, depois que centenas de peixes, crustáceos e moluscos apareceram mortos na região.  

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

Um comunicado emitido pelo Instituto do Meio Ambiente de SC (IMA) e pela Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram) na terça-feira (6) informa que "após intensivo monitoramento, [se constatou que] no momento, não há floração de microalgas potencialmente tóxicas na Lagoa da Conceição influenciando a condição da balneabilidade".

> Baleia jubarte de quase 8 metros é encontrada morta na praia do Pântano Sul, em Florianópolis

> Mesmo sem algas tóxicas, saneamento continua sendo problema para Lagoa da Conceição, diz professor da UFSC

Na época em que os peixes foram encontrados mortos na Lagoa, análises da água apontaram para a incidência de uma alga tóxica, nunca antes vista em SC, e capaz de causar ao ser humano sintomas gastrointestinais e neurológicos que vão da náusea à perda de controle motor.

> Tribunal modifica decisão da 1ª instância sobre vazamento na Lagoa da Conceição

> Após alagamento na Lagoa da Conceição, Florianópolis precisa enfrentar desafios ambientais

Questionado sobre a toxina pelo Hora de SC, o IMA confirmou que a microalga encontrada era tóxica para a fauna aquática, no entanto, também disse que foi verificada, à época, baixa concentração de oxigênio dissolvido na água, o que deixou dúvidas sobre a causa da morte dos peixes: 

"A mortandade pode ter sido causada pela falta de oxigênio, ou pelo efeito tóxico das microalgas, ou pela combinação de ambos", informou o órgão, por meio de assessoria de imprensa.

> Intubado, Paulo Gustavo precisa passar por transfusão de sangue

Relembre a morte dos peixes na Lagoa da Conceição

O mau cheiro sentido na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, e a morte de centenas de peixes, crustáceos e moluscos preocupou moradores da Costa da Lagoa no dia 23 de fevereiro e impossibilitou a pesca, o banho e o próprio turismo no local.

A coloração da água também mudou na região e comprometeu a renda de 180 pescadores, aproximadamente. A situação foi gravada pela comunidade:

Antes mesmo do resultado das análises da água, a Floram e o IMA emitiram comunicado onde recomendavam que fosse "evitado o contato com água - banho e atividades de lazer - bem como o consumo dos pescados na área delimitada [...] até que as condições tenham se normalizado".

Desde então, o local foi monitorado pelos órgãos ambientais do Estado e município.

Leia também

Multas em Lages já passam de R$ 700 mil pelo descumprimento de regras sanitárias

Colunistas