nsc
    an

    Ação criminosa

    Médicos de Joinville são indiciados por fraudar registro de ponto no Hospital Regional

    Os 11 indiciados são servidores concursados do Estado e recebem entre R$ 9 mil e R$ 20 mil por mês

    28/01/2021 - 16h27 - Atualizada em: 28/01/2021 - 18h50

    Compartilhe

    Clarissa
    Por Clarissa Battistella
    Médicos eram concursados e atuavam no Hospital Regional de Joinville
    Médicos eram concursados e atuavam no Hospital Regional de Joinville
    (Foto: )

    Os 11 médicos de Joinville investigados por suspeita de fraudar o registro do ponto de trabalho no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt foram indiciados pela Polícia Civil nesta quinta-feira (28), por crime de falsidade ideológica, com a agravante da prática ter ocorrido durante um período de calamidade pública, decretada por conta da pandemia do coronavírus. Os médicos já estavam afastados de suas funções desde dezembro, quando também tiveram seus salários suspensos por ordem judicial. 

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

    Segundo o delegado da Divisão de Investigação Criminal de Joinville, Rafaello Ross, o inquérito concluiu que os médicos registravam o ponto eletrônico no horário de entrada, mas não permaneciam no hospital durante o turno de trabalho. No final do expediente, eles retornavam ao estabalecimento para sinalizar a saída. Com isso, garantiam o pagamento integral de seus salários. 

    As investigações foram iniciadas ainda em setembro de 2020 em parceria com o GAECO. 

    Dois médicos chegaram a ser presos em flagrante durante as diligências, porque foram encontrados em suas residências enquanto os pontos de trabalho estavam em aberto no hospital regional, como se lá estivessem no mesmo horário. Um terceiro, chegou a ser flagrado entrando em um motel durante o expediente.

    Os 11 indiciados são servidores concursados do Estado e recebem salários entre R$ 9 mil a R$ 20 mil., por uma jornada de 80 horas mensais que deveriam ser cumpridas de forma presencial. Ainda, segundo a polícia, há profissionais com vínculo funcional de até 20 anos entre os envolvidos na fraude.

    Colunistas