nsc
dc

Tempo

Entenda o que é ciclone bomba, fenômeno que atingiu Santa Catarina

Formação ganha esse nome pois é um tipo de ciclone que se intensifica rapidamente

02/07/2020 - 13h07 - Atualizada em: 02/07/2020 - 13h10

Compartilhe

Por Guilherme Simon
Lariane
Por Lariane Cagnini
chapecó
Árvore caiu sobre parque infantil em Chapecó
(Foto: )

Com rajadas de vento que ultrapassaram 130km/h, estragos em mais de 135 municípios e pelo menos nove mortos, o fenômeno que atingiu Santa Catarina nesta terça-feira (30) é chamado de ciclone bomba. A formação ganha esse nome pois é um tipo de ciclone que se intensifica rapidamente, explica o meteorologista da NSC Comunicação Leandro Puchalski. 

Sempre que um ciclone ganha intensidade em poucas horas, é chamado de ciclone bomba, segundo Puchalski. O ciclone bomba que atingiu Santa Catarina essa semana se formou no Rio Grande do Sul. 

A explicação para a formação de um ciclone é que o ar quente e úmido (menos denso), vai para as camadas superiores da atmosfera. Enquanto isso, o ar frio e seco (mais denso) é rebaixado para a superfície, o que gera a redução da pressão atmosférica. A condensação do ar quente libera calor e gera instabilidade na área. Por consequência, o ciclone se forma, explica Puchalski.

Os fênomenos climáticos que atingiram os municípios catarinenses ainda estão sob análise da Epagri/Ciram, que vai emitir um comunicado sobre o que aconteceu no Estado. A meteorologista Laura Rodrigues ressalta que, embora o fenômeno possa ser visto como uma coisa só, houve também a formação de vários temporais.

> Ciclone, vendaval, tempestade, tornado e tufão: entenda a diferença

Além do ciclone, a frente fria que estava no Estado também gerou temporais. Foi a junção dessas duas coisas que fez com que o estrago fosse maior, segundo Laura. Ela explica que a ação do ciclone ficou mais concentrada na parte Sul do Estado, e que o Norte e no Oeste, os danos foram causados pela ação dos temporais.

- O vento do ciclone é o vento Sul que se mantém. O temporal é aquele rapidinho, associado a nuvem de chuvas. Em geral, os ventos de temporal que causam mais estragos. Em alguns locais, temporais acabaram resultando em micro-explosões - explica Laura.

Mais de 1,5 milhão ficaram sem luz em SC

O ciclone prejudicou o fornecimento de energia em toda Santa Catarina, e 1,5 milhões de unidades consumidoras da Celesc chegaram a ficar sem luz. Até a manhã desta quinta-feira, o fornecimento ainda não tinha sido restabelecido em mais de 200 mil unidades.

Colunistas