nsc
dc

Feminicídio

'Paixão mórbida' motivou assassinato de Ana Kemilli na Serra de SC, revela polícia; suspeito é preso

17/06/2021 - 18h34 - Atualizada em: 17/06/2021 - 18h53

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Ana Kemilli tinha 14 anos e morava em Campo Belo do Sul
Ana Kemilli tinha 14 anos e morava em Campo Belo do Sul
(Foto: )

O assassinato de Ana Kemilli, 14 anos, em Campo Belo do Sul, na Serra catarinense, foi motivado pela "paixão mórbida" que um dos suspeitos tinha por ela. A informação foi revelada pela Polícia Civil nesta quinta-feira (17), quatro meses após a morte da jovem, com a prisão do segundo envolvido no crime, de 21 anos. O caso é tratado como feminicídio e ocultação de cadáver.

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

A adolescente, que passou dois dias desaparecida, à época, foi encontrada morta e amarrada em uma árvore com o corpo encoberto pela vegetação. Ela tinha sido vista pela última vez por uma amiga, na tarde de 8 de fevereiro, quando retornava para casa. O corpo foi localizado no dia 10 do mesmo mês, em um matagal no interior do município. Um dia depois, o primeiro suspeito, menor de idade, foi apreendido. 

Delegado responsável por concluir o inquérito, Fabiano Henrique Schmitt, contou ao Diário Catarinense que o crime foi motivado pelo fascínio que um dos envolvidos, o mais velho e preso nesta quinta, sentia pela adolescente. 

- Ele tinha uma paixão mórbida pela vítima, inclusive eles (suspeito e vítima) tiveram um relacionamento fugaz em 2020. A menina rompeu o relacionamento e passou a ter um relacionamento com outro rapaz - relatou Schmitt.

Inconformado com o fim da relação, o jovem de 21 anos tentava reatar com a adolescente, segundo o delegado, e enviava mensagens para o celular dela de forma incessante, inclusive, no dia em que Ana Kemilli desapareceu.

> Conheça o passo a passo do atendimento às vítimas de violência doméstica nas Dpcamis

- Os elementos que estão no inquérito estão muito seguros e fortes, que apontam de forma bem firme o envolvimento dele no feminicídio e na ocultação de cadáver - revela o delegado.

Além do jovem preso nesta quinta, um adolescente de 16 anos e vizinho da vítima já havia sido apreendido pelo assassinato. Na ocasião, o menor apareceu na delegacia um dia após a localização do corpo e admitiu a participação. 

> Melzinho do amor: investigação revela o que tem no produto e como funciona a venda em SC

À frente do caso na época do crime, o delegado Thiago Gomez suspeitou que o adolescente não teria atuado sozinho, mesmo sem colaboração do menor com as investigações. Desde então, as diligências seguiram até se chegar ao nome do segundo envolvido.

- O adolescente é amigo desse rapaz. Os dois comenteram o crime juntos. Apreendido na época dos fatos, o adolescente já foi sentenciado e cumpre medida sócio-educativa de internamento. Não temos dúvida nenhuma quanto ao envolvimento dos dois - concluiu Schmitt.

Conheça os sinais dados antes do feminicídio:

Leia também

“Não podemos aceitar qualquer tipo de violência”, diz juiz sobre feminícidio em Lages

Colunistas