nsc
dc

Baixa na economia

PIB em queda histórica: confira os setores com maior baixa em 2020

Recuo foi de 4,1%; apenas o setor agropecuário cresceu, serviços e indústrias apresentaram queda

03/03/2021 - 10h42 - Atualizada em: 03/03/2021 - 10h44

Compartilhe

Maria Eduarda
Por Maria Eduarda Dalponte
Maioria dos setores apresentaram baixa em 2020
Maioria dos setores apresentaram baixa em 2020
(Foto: )

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teve queda histórica de 4,1% em 2020 devido aos impactos da pandemia da Covid-19, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (03) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

> Auxílio Emergencial 2021: benefício volta em março com parcelas de R$ 250, diz Bolsonaro

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

Essa foi a menor taxa da série histórica atual do IBGE, iniciada em 1996, superando a retração de 3,5% registrada em 2015. Nas séries anteriores, elaboradas pelo IBGE e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) desde 1901, a maior queda havia sido em 1990 (-4,35%).

O PIB fechou o ano em R$ 7,4 trilhões em 2020. O PIB per capita também registrou a menor taxa da série histórica, alcançando R$ 35.172, com queda de 4,8% em termos reais.

— O resultado é efeito da pandemia de Covid-19, quando diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas para controle da disseminação do vírus. Mesmo quando começou a flexibilização do distanciamento social, muitas pessoas permaneceram receosas de consumir, principalmente os serviços que podem provocar aglomeração — analisa a coordenadora de Contas Nacionaisdo do IBGE, Rebeca Palis.

Todos os setores apresentaram queda, com exceção da Agropecuária, que cresceu 2%. A Indústria (-3,5%) e os Serviços (-4,5%) apresentaram recuo. Somados, esses dois setores representam 95% da economia nacional.

Principais destaques do PIB em 2020

• Serviços: -4,5% • Indústria: -3,5% • Agropecuária: 2% • Consumo das famílias: -5.5% • Consumo do governo: -4,7% • Investimentos: -0,8% • Exportação: -1,8% • Importação: -10,0% • Construção civil: -7%

> Saiba como consultar o Pis/Pasep 2021 pela internet

Apesar do resultado negativo, especialista previam uma queda ainda maior. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam queda de 4,2% no acumulado do ano, o Ministério da Economia projetava queda de 4,5% e os economistas consultados pelo BC no boletim Focus chegaram a apontar contração de quase 7% durante o ano, mas as expectativas se tornaram menos negativas após o Congresso Nacional aprovar o auxílio emergencial e outras medidas de estímulo.

Serviços foi o setor mais afetado em 2020

O setor mais afetado pela crise foi o "Serviços", que representa cerca de dois terços do PIB. A pior variação negativa foi de "Outras atividades de serviços" (-12,1%). Transporte, armazenagem e correio (-9,2%), Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-4,7%), Comércio (-3,1%), e Informação e comunicação (-0,2%) também apresentaram quedas.

As únicas categorias que apresentaram avanço foram as Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (4,0%) e as Atividades imobiliárias (2,5%).

> Desemprego no Brasil bate recorde em 2020, apesar de recuo no 4º trimestre

Os Serviços mais afetados foram aqueles que dependem do movimento de pessoas, como os segmentos de alimentação e alojamento, prejudicados pelo distanciamento social em virtude da pandemia da Covid-19.

— Os serviços prestados às famílias foram os mais afetados negativamente pelas restrições de funcionamento. A segunda maior queda ocorreu nos transportes, armazenagem e correio (-9,2%), principalmente o transporte de passageiros, atividade econômica também muito afetada pela pandemia — acrescenta Rebeca.

Indústrias também apresentaram queda

Na Indústria (-3,5%), o destaque negativo foi o desempenho da atividade Construção (-7,0%) que voltou a cair este ano. A atividade das Indústrias de Transformação também recuou (-4,3%).

> PIB do Brasil cai 4,1% no ano da pandemia. Agro é positivo e SC perde menos

A atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto e atividades de gestão de resíduos teve variação negativa de 0,4% em relação a 2019. Apesar de as bandeiras tarifárias terem estado mais favoráveis em 2020, o isolamento social e a baixa atividade econômica foram decisivos para o resultado negativo. As Indústrias Extrativas, por sua vez, cresceram 1,3%, devido à alta na produção de petróleo e gás que compensou a queda da extração de minério de ferro.

Consumo das famílias e governo teve queda

Segundo o IBGE, o consumo das famílias teve o maior tombo já registrado na série histórica (-5,5%), explicado principalmente pela piora no mercado de trabalho e a necessidade de distanciamento social.

A queda no consumo do governo também foi recorde (-4,7%), devido ao fechamento de escolas, universidades, museus e parques ao longo do ano.

> Conta de luz terá reajuste maior este ano; entenda as razões

4º trimestre teve recuperação em ritmo mais lento

O PIB cresceu 3,2% no 4º trimestre de 2020. A Indústria e os Serviços apresentaram variação positiva de 1,9% e 2,7%, respectivamente, e a Agropecuária recuou 0,5%. O índice apresentou recuos de 2,1% no primeiro trimestre, recorde negativo de 9,2% no segundo trimestre e avanço de 7,7% no terceiro semestre. 

— Essa desaceleração é esperada porque crescemos sobre uma base muito alta, no terceiro trimestre (7,7%), após um recuo muito profundo no auge da pandemia, o segundo trimestre (-9,2%) — explica Rebeca Palis.

*Com informações de G1, Folhapress e IBGE e supervisão de Raquel Vieira

Leia também

Estado recebe lote com mais 91,2 mil doses da CoronaVac

Joinville afasta 8 professores com sintomas de Covid-19

Outono em SC terá influência do La Niña; Puchalski explica

Colunistas