nsc
dc

ESCOLHA INDIVIDUAL

Plano de saúde exige que marido dê aval a inserção de DIU; entenda as regras em SC

Assinatura do cônjuge é exigida em formulários como requisito para autorização de cooperativas

04/08/2021 - 16h54 - Atualizada em: 01/10/2021 - 10h08

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Redação
Por Redação DC
Dispositivo tem como principal objetivo impedir a gravidez
Dispositivo tem como principal objetivo impedir a gravidez
(Foto: )

Planos de saúde têm exigido em alguns estados o consentimento de maridos para autorizarem o procedimento de inserção de DIU (dispositivo intrauterino), um método contraceptivo, em mulheres casadas. É o caso de três cooperativas de São Paulo e Minas Gerais, em que os formulários para aquisição do material exigem assinatura do companheiro. Em Santa Catarina também se procurou saber se há essa imposição.

Acesse para receber as principais notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Sem se identificar, a reportagem da Folha entrou em contato por telefone com as três cooperativas da seguradora para confirmar a informação, que consta nos Termos de Consentimento para inserção do contraceptivo. 

A informação de que não era possível realizar o procedimento sem o consentimento do cônjuge foi confirmada pela central de atendimento ao cliente das três unidades. Via assessoria de imprensa, as unidades de Divinópolis e Ourinhos informaram que abandonaram a exigência após o contato da reportagem. Já a cooperativa de João Monlevade nega a exigência e afirma que apenas recomenda compartilhar o termo, por isso o espaço para a assinatura do companheiro.

Já em Santa Catarina, o formulário de autorização na Unimed exige somente a assinatura de médicos ginecologistas. No Estado, nem se quer são solicitadas informações sobre os cônjuges.

> Viver Bem EMS: quer saber como manter a saúde em dia?

O termo necessário para o implante cobra somente critérios relacionados à saúde da cliente que, segundo destaca a cooperativa, "são embasados em conhecimentos recentemente publicados e aceitos pela comunidade científica, podendo estar sujeitos a mudanças conforme o surgimento de novos dados ou diretrizes fornecidas em medicina baseada em evidência".

Os questionamentos do requisito buscam saber sobre possíveis doenças da mulher, como endometriose e tuberculose, quais foram os outros métodos contraceptivos usados até então, idade, entre outras perguntas.

Métodos contraceptivos: conheça os prós e os contras de cada um

O Diário Catarinense ainda procurou, sem se identificar, informações sobre uma possível exigência através da central de atendimento da Grande Florianópolis, que passou as mesmas informações prestadas pelo formulário: apenas é necessária a autorização médica. 

O Conselho Regional de Medicina de Santa Catarina foi procurado para comentar, mas informou que não se manifestaria sobre o tema porque a situação não é de sua competência.

Não há informações sobre se houve pedido de autorização em anos anteriores em SC, mas outras cooperativas da Unimed chegaram a exigir a assinatura do cônjuge no passado, antes de atualizaram o seu modo de operação. É o caso da Sul Capixaba, que atende 30 municípios no Espírito Santo. 

Grávida decide ter filho em casa para evitar internação em hospital durante a pandemia em SC

O que é DIU e como funciona

O DIU é um dispositivo no formato de T que é introduzido na mulher através do colo do útero e tem como principal objetivo impedir a gravidez. A médica ginecologista Graciela Morgado explica que há dois tipos de dispositivos: os não hormonais e os hormonais. Os não hormonais, que são aqueles de cobre e prata, são utilizados para a contracepção. O hormonal é amplamente usado no tratamento dos sintomas de doenças crônicas como a endometriose.

A ginecologista afirma que a exigência do consentimento do cônjuge pode diminuir a qualidade de vida de mulheres com doenças para as quais o DIU é uma alternativa, uma vez que os homens passam a participar da decisão.

- Há um prejuízo na independência dessa mulher que vai realizar um tratamento que vai promover qualidade de vida, pois ela passa a depender de um parceiro que talvez não entenda sua dor", diz. "O DIU não causa uma infertilidade como a laqueadura, então não precisaria do parceiro para colocar como método contraceptivo.

Morte de grávidas por Covid-19 aumentou quase seis vezes em SC

Legislação

Para exigir a assinatura do marido, as seguradoras se amparam na lei 9.263 de 1996, que dispõe sobre o planejamento familiar. Ela estabelece que a realização de laqueadura tubária ou vasectomia deve ser feita somente com "consentimento expresso de ambos os cônjuges", em homens e mulheres capazes e maiores de 25 anos ou com pelo menos dois filhos vivos. 

A legislação é alvo constante de críticas por exigir o consentimento do parceiro nos casos de esterilização cirúrgica de pessoas casadas. A exigência da lei, porém, não contempla métodos contraceptivos reversíveis como o DIU. 

Heidi Florêncio Neves, professora de direito penal da Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo), afirma que esse é um uso indevido da lei, que viola a autonomia da paciente:

- A lei diz que, em casos de esterilização voluntária, é preciso consentimento do cônjuge. Não é o caso do DIU, então não se aplica.

A professora diz que as mulheres lesadas pela exigência podem entrar na Justiça para fazer com que a seguradora cubra o procedimento. 

Antropóloga e professora da UnB (Universidade de Brasília) Débora Diniz afirma que a participação dos homens nesse processo decisório representa a alienação da autonomia reprodutiva das mulheres:

- Há uma falsa presunção de que os corpos das mulheres, no que toca o seu aspecto reprodutivo, sempre dizem respeito aos homens aos quais elas são vinculadas", afirma. "Isso pode não só agravar a situação de mulheres que vivem em violência como agravar uma visão de que as mulheres são propriedade dos homens.

Mulheres adotam métodos contraceptivos não hormonais para fugir dos efeitos das pílulas

Unimed do Brasil

A Unimed do Brasil, representante nacional do Sistema Unimed, afirma que não adota qualquer orientação ou diretriz nacional que exija o consentimento do cônjuge para inserção do DIU.

Segundo a seguradora, o padrão estabelecido no sistema é a orientação do preenchimento do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, no qual a paciente reconhece que foi suficientemente orientada sobre o procedimento e que apenas ela e o médico responsável assinam.

A reportagem perguntou se a partir desses casos novas orientações seriam fornecidas, uma vez que poderiam existir outras instâncias de exigência equivocada entre as 342 cooperativas pelo Brasil, mas não obteve resposta.

*Por Victoria Damasceno

Leia também

Grávidas não podem voltar ao trabalho presencial na pandemia, diz nova lei

5 curiosidades masculinas sobre o sexo que as mulheres não sabiam

Saiba o que pode acontecer na primeira vez de uma mulher

10 aplicativos para cuidar da saúde física e mental

Pode beber depois de tomar a vacina da Covid-19?

Colunistas