nsc
dc

CARNE PODRE

Quatro restaurantes são investigados por venda de carne de cavalo no Sul de SC

Segundo a polícia, o produto era vendido como se fosse bovino

18/10/2021 - 08h01 - Atualizada em: 18/10/2021 - 13h45

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Polícia apreendeu mais de 520 quilos de carnes
Polícia apreendeu mais de 520 quilos de carnes
(Foto: )

A Polícia Civil está apurando a venda de carne de cavalo em quatro restaurantes do Sul catarinense. Segundo a investigação, o produto era vendido como se fosse bovino. O grupo que produzia as carnes foi alvo de uma operação em setembro. Na época, sete pessoas foram presas.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Um ofício assinado pelo delegado Marcos Neves no dia 7 de outubro solicita que a Vigilância Sanitária faça inspeção nos quatro locais. No documento, o delegado diz que as investigações identificaram que os estabelecimentos “possivelmente comercializavam carne animal imprópria para o consumo”.

Os restaurantes ficam em Içara, Criciúma e Laguna. Os estabelecimentos não foram fechados pela polícia e devem passar por inspeção sanitária. O documento foi anexado ao processo que está em andamento na Justiça. Segundo o delegado, o pedido foi feito durante as investigações da operação Hefesto e estava em sigilo até então.

Relembre o caso 

A operação Hefesto foi deflagrada em setembro deste ano. Foram apreendidos mais de 520 quilos de carne no CTG Herança do Velho Pai, em Morro da Fumaça.

Além da carne, foram encontradas e recolhidas drogas, armas e dinheiro. A maioria das buscas aconteceu no CTG Herança do Velho Pai, no Bairro Frasson.

As investigações começaram em maio de 2021 e conectam a possível venda ilegal aos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, receptação e furto de gado.

A reportagem não conseguiu retorno da Vigilância Sanitária Estadual sobre o caso.

Leia também 

Mercados de SC que vendiam alimentos vencidos e com fungo não têm alvará

Carne vencida virava espeto corrido em churrascarias de SC, aponta investigação da polícia

Como funcionava o esquema de venda de carne vencida a churrascarias de SC

Colunistas