nsc
dc

Fique atento

Saiba como se proteger do golpe do Whatsapp, crime virtual que tem feito vítimas em SC

Número de pessoas que sofrem crimes virtuais cresce em SC; golpes incluem invasões de dispositivos (clonagem), extorsões e estelionatos

09/10/2020 - 05h00 - Atualizada em: 20/01/2021 - 08h44

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Verificação em duas etapas é o meio mais seguro para evitar invasão no WhatsApp
Verificação em duas etapas é o meio mais seguro para evitar invasão no WhatsApp
(Foto: )

Milhares de pessoas já foram vítimas de golpes pelo WhatsApp em todo o país. Somente em Santa Catarina, entre 1º de janeiro a 1º de agosto de 2020, mais de 14,7 mil pessoas sofreram crimes praticados em meio virtual, o que inclui extorsão, estelionato e invasão de dispositivo, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública de SC (SSP). Para a polícia, este tipo de crime é semelhante aos outros golpes aplicados fora da internet, só que agora o alvo é o aplicativo de mensagens mais conhecido dos brasileiros.

Cinco minutos depois de concluir uma conversa com a amiga, no WhatsApp, uma pedagoga de Santa Catarina, que não será identificada para a sua segurança foi novamente acionada pelo mesmo contato. A pessoa do outro lado, que ela imaginava ser a amiga com quem falava há pouco, pediu o print (foto da tela) de um código que enviaria em instantes por SMS. 

> Golpe do WhatsApp: como ativar a segurança em duas etapas para ficar seguro

> Saiba como proteger os filhos dos perigos da internet

Com o domínio do perfil da professora, no aplicativo de conversa, os golpistas passaram a pedir dinheiro para os contatos da professora, aqueles com quem ela havia falado recentemente. A vítima, que não conseguia mais reverter a invasão, precisou achar outras formas de avisar seus conhecidos sobre o golpe que poderiam sofrer, caso depositassem ou transferissem os valores solicitados.

Sem saber por qual motivo, com pressa e sem desconfiar de nada, a educadora fez o procedimento. A partir de então, foram necessários apenas dois minutos para que os criminosos invadissem, também, a sua conta no WhatsApp. 

O que acontece, conforme o doutor em Comunicação e Linguagens, Moisés Cardoso, é uma migração de atuação dos golpistas, do analógico para o digital:

- Envolve o que a gente chama de engenharia social para ludibriar a vítima. Pega a lábia que se usa para o golpe do bilhete premiado e digitaliza.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

Essa migração, segundo o titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática da DEIC em SC, delegado Luiz Felipe Rosado, também quebrou fronteiras de distância para os criminosos, que não estão mais limitados a procurar alvos próximos:

- Tem muita gente sendo vítima de crimes em SC por indivíduos que estão em outros estados - alerta.

E a única forma de evitar uma invasão no Whatsapp e proteger seus conhecidos de um golpe virtual é entender a engenharia do crime e reforçar, facilmente, os mecanismos de segurança individuais.

Como ocorrem as invasões no aplicativo

Os criminosos são astutos. Aproveitam todas as oportunidades para chegarem até a vítima: uma data comemorativa, as férias, um período de pandemia, volta às aulas ou mesmo um anúncio feito em plataformas de compra e venda. Basta apenas um telefonema ou uma mensagem na hora certa para a vítima entregar o que o golpista precisa: a chave numérica que dará carta branca para agir.

Em períodos de férias, por exemplo, um convite para um evento pode ser a temática do infrator, segundo o especialista Moisés Cardoso, que irá agir com a mesma sagacidade usada para os batidos golpes do bilhete premiado. Veja como acontece.

> Pessoas cadastradas no PIX podem ser alvo de golpistas, alerta delegado; saiba como se proteger

Convite para evento

O telefone toca, a vítima atende. Do outro lado uma pessoa se apresenta com um nome qualquer e traz um atrativo: queria confirmar o nome do senhor para um coquetel que vai ocorrer amanhã a noite (fala o endereço, a hora e quem está oferecendo o coquetel). A conversa se estende e quando o golpista acha que chegou o momento, avisa que está mandando um código de confirmação para registrar o nome no sistema. Depois, pede para que a vítima diga qual é o código recebido e a ligação é encerrada.

- O whatsapp manda um código alfanumérico por SMS para o número que você quer acessar a conta. O golpista tenta dar jeito para que a pessoa entregue pra ele esse código. Com o código em mãos, ele acessa o WhatsApp e começa pedir depósitos ou transferências - explica Moisés Cardoso.

Cartão de crédito clonado

Outro exemplo comum é o que usa como argumento um cartão de crédito clonado: bom dia, aqui é da agência do seu cartão de crédito e registramos que houve uma tentativa de clonagem do seu cartão. O senhor usou o cartão recentemente para alguma compra online ou em algum lugar não confiável? Tudo bem, vamos evitar um bloqueio parcial para garantir a sua segurança. Por favor, confirme o código que vai receber por SMS.

As ligações ou mensagens de texto ainda podem abordar uma compra online que a vítima está realizando naquele momento, podem oferecer desconto em alguma compra e cupons promocionais. Para quem anuncia em redes sociais ou sites de compra e venda, é possível que os trapaceiros peçam o código para concluir a publicação do anúncio e, em tempos de pandemia, até mesmo a confirmação sobre os sintomas ou falta deles, pode ser utilizada.

> Catarinenses caem em golpe dos ‘nudes’ em mensagens nas redes sociais

Equipe da saúde

- Boa tarde, sou da equipe de saúde do município e vou fazer algumas perguntas para controle. O senhor não apresentou nenhum sintoma? Como está a saúde da sua família? E os hábitos de higiene? Tudo bem, estou te mandando o código para aferir se o atendimento foi bom, o senhor dita ele para mim? - alerta o especialista, que complementa:

- É a engenharia social. Pega a temática do momento e adapta para tentar pegar a pessoa.

Como se proteger

A dica mais importante, segundo o delegado Luiz Felipe Rosado, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática da DEIC em SC, é utilizar mecanismos de segurança que os próprios dispositivos de mensagem disponibilizam nas redes sociais.

No WhasApp, por exemplo, é possível ativar a segurança através da “verificação em duas etapas”. Nesse caso, mesmo que a chave numérica seja entregue aos golpistas, a invasão não se concretiza, porque será necessário acrescentar uma senha de quatro dígitos que apenas o usuário do número em questão conhece.

- A confirmação em duas etapas não fica tão clara, a galera não dá muita bola, mas é o que tem de mais seguro para evitar que outra pessoa se apodere - reforça o especialista, Moisés Cardoso, que também orienta a configurar o WhatsApp para duas etapas.

Como ativar a segurança em duas etapas
Como ativar a segurança em duas etapas
(Foto: )

Além disso, outros detalhes podem ser observados, segundo o delegado Rosado, para diminuir os riscos de ter o nome ou a imagem vinculada aos golpes:

- Não deixar a foto com visualização para todo mundo ver nos aplicativos de conversa online. Mesmo que perfil de rede social seja bloqueado, a foto de capa não deve ser de rosto da pessoa, porque a foto pode ser anexada a um novo número, sob argumento de que trocaram o contato e que será usado para os golpes, depois. 

Colunistas