nsc
dc

Oportunidade de emprego!

SC tem mais de 2 mil vagas de tecnologia abertas, mas faltam profissionais qualificados

Estudo mostra que até o final de 2021 cerca de 4,5 mil vagas serão abertas no setor

16/07/2021 - 05h00 - Atualizada em: 16/07/2021 - 14h56

Compartilhe

Fernanda
Por Fernanda Mueller
A maioria de vagas abertas no setor são para desenvolvedores
A maioria de vagas abertas no setor são para desenvolvedores
(Foto: )

Com o quarto maior polo do país em faturamento — em 2019 teve arrecadação de R$ 17,7 bilhões — o setor de tecnologia em Santa Catarina tem mais de 2 mil vagas abertas, mas enfrenta um desafio: a falta de profissionais qualificados. Com isso, entidades e empresas da área buscam soluções com o governo do Estado para atender essa área que cresce cada vez mais.  

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Os resultados preliminares de um estudo da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), mostram que até o final de 2021, 4,5 mil vagas serão abertas no setor. Dessas, aproximadamente a metade das oportunidades estão disponíveis no momento, mas as empresas não encontram mão de obra capacitada.  

— A maior dificuldade do setor de tecnologia de Santa Catarina, do Brasil e do mundo, é encontrar profissionais qualificados para serem profissionais de tecnologia. E isso é uma contradição. Enquanto nós temos cerca de 14 milhões de desempregados procurando empregos no Brasil, nós temos milhares de vagas esperando por profissionais — diz o vice-presidente da Talentos da Acate, Moacir Marafon. 

Oportunidades abertas para diversos perfis

A maioria das vagas são para Desenvolvedores, que têm salário médio de R$ 5 mil em SC. Há ainda vagas abertas para perfis como Cientistas de dados, Administradores de dados e Analistas de Projetos (arquitetos de softwares).  

A Delivery Much, aplicativo de delivery com foco no interior do Brasil, e sede em Florianópolis, atualmente está com 27 vagas abertas. Segundo Katleen Gonçalves Luiz, Tech Recruiter (recrutadora), a maior dificuldade da empresa é encontrar profissionais para atuarem com engenharia de softwares. 

Outra empresa com vagas abertas, é a Softplan, que atua em desenvolvimento de softwares. Também sediada em Florianópolis, tem cerca de 100 vagas abertas, principalmente para desenvolvedores. Segundo Waleska Cunha, diretora de Gente & Cultura da Softplan, a previsão é de que a empresa passe a abrir mais de 150 vagas por mês.   

Conforme a pesquisa feita pela Acate, em 2022 devem ser criadas 5,3 mil vagas na área em SC. Para obter os dados, o vice-presidente da Acate explica que 228 empresas responderam a um questionário, mas como existem mais de 12 mil no Estado, pesquisadores da UFSC projetaram o crescimento do setor. 

O resultado do estudo será divulgado no final de julho. 

> Startup de SC desenvolve máquina para produzir bioplástico a partir do milho

Profissionais de tecnologia atuam em todos os setores 

A pandemia acelerou a transformação digital e hoje os profissionais de tecnologia são fundamentais para qualquer setor da economia. Por isso, o número de vagas ofertadas tende a ser maior ainda do que o resultado da pesquisa mostra, já que o estudo foi feito apenas com empresas de tecnologia. 

— Um bom exemplo é o Magazine Luiza que hoje é um marketplace, e por trás disso tem uma grande estrutura informatizada com centenas de profissionais de tecnologia. Tem uma estatística hoje, de cada três profissionais de tecnologia hoje, dois estão nas empresas que desenvolvem soluções e um está nas empresas de economia tradicional que estão se digitalizando — destaca Marafon. 

> Rota da inovação, a SC-401 retoma atividades após vacinas

Incentivo a formação de profissionais 

Com o objetivo de incentivar a formação de profissionais qualificados, o Governo de Santa Catarina criará um grupo de trabalho para criar estratégias específicas de médio e longo prazo.  

A Acate já desenvolve algumas iniciativas junto com empresas de tecnologia do Estado. Uma delas é o Dev in house, em parceria com o Senai. O programa de formação de desenvolvedores tem duração de 9 meses e conta com apoio de empresas madrinhas que acompanham os estudantes, contribuem com recursos financeiros, e inclusive, oferecem vagas.  

Conforme o Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Luciano Buligon, a ideia é ampliar os projetos para incentivar todos os jovens com nível médio que queiram ingressar neste mercado, ou mesmo profissionais querendo mudar de carreira.  

— Sabemos que o ramo da tecnologia e inovação corresponde a 6% do PIB do Estado, uma fatia significativa da nossa economia. Santa Catarina já é referência nacional no setor de tecnologia e queremos ir além, queremos ser uma referência internacional e para isso, pensando a longo prazo, queremos incentivar a mão de obra qualificada — destaca o secretário. 

Confira as profissões do mundo pós-pandemia:

Colunistas