nsc
an

Investigação

Quase metade das sementes misteriosas da China analisadas apresentam risco às lavouras do Brasil

Um dos primeiros casos foi registrado em Jaraguá do Sul. Até o fim de outubro, 562 embalagens foram recebidas em todo o país

26/11/2020 - 09h05 - Atualizada em: 26/11/2020 - 09h09

Compartilhe

Patrícia
Por Patrícia Della Justina
Sementes "da China" chegaram com outros produtos que haviam sido encomendados em site de vendas
Sementes "da China" chegaram com outros produtos que haviam sido encomendados em site de vendas
(Foto: )

Das 36 amostras de pacotes de "sementes misteriosas da China" que já foram analisadas pelo Ministério da Agricultura até o momento, 47% apresentaram algum risco fitossanitário ao Brasil. As informações foram divulgadas na última quarta-feira (25). Jaraguá do Sul foi uma das primeiras cidades brasileiras e a primeira de Santa Catarina a registrar o recebimento. 

Conforme o ministério, até o fim do mês de outubro moradores de todos os estados do país e o Distrito Federal somaram 525 pacotes de sementes recebidos e que não foram solicitados. Conforme matéria do G1, mais materiais continuam em análise no Laboratório Federal de Defesa Agropecuária, em Goiás, e não há previsão de quando o processo irá terminar. 

O governo afirma que os pacotes "supostamente" foram enviados de quatro países asiáticos. Moradores de Estados Unidos e Canadá também registraram casos semelhantes. A suspeita das autoridades é de que seja uma fraude relacionada ao comércio on-line.

Os registros no Brasil ocorrem desde agosto e os pacotes chegam junto com compras feitas pela internet. 

> O que já se sabe sobre as sementes misteriosas da China

O governo afirma que os pacotes teriam sido enviados por países da Ásia, como China e Malásia, e pela região administrativa chinesa Hong Kong. Porém, a China, por exemplo, nega que tenha feito envios ao país.

O que já se sabe e quais são os riscos? 

- Após avaliação de risco fitossanitário (...) foi identificado que uma amostra continha a espécie Myosoton aquaticum, praga ausente no Brasil e com potencial para ser considerada quarentenária, ou seja, com risco de estabelecimento no país e de causar danos fitossanitários - diz o governo, em nota nesta quarta.

> “Maior risco é não saber procedência”, diz gestor da Cidasc sobre sementes misteriosas

O ministério afirma que essa espécie é resistente a herbicidas, o que torna seu controle difícil. 

- A introdução dessa planta daninha no país pode ter impacto econômico negativo - afirma a pasta.

As análises realizadas pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária, referência em sanidade vegetal, indicam que parte das amostras contêm a presença de mais de uma praga.

> Sementes misteriosas da China possuem ácaro, fungos e bactérias, diz governo

Em quatro amostras foram identificadas uma espécie quarentenária ausente – Descurainia sophia – considerada como planta daninha nos Estados Unidos e Canadá, além de planta invasora no México, Japão, Coreia, Chile e Austrália. Já a Myosoton aquaticum é considerada daninha nos campos de trigo da China.

Outras 15 amostras continham gêneros que tem espécies quarentenárias ou espécies com potencial quarentenário, como sementes de Cuscuta; de Brassica; de Chenopodium; de Amaranthus; e dos fungos Cladosporium; Alternaria; Fusarium; e Bipolaris.

O que fazer se receber o pacote com sementes misteriosas? 

A orientação da Cidasc é para que, caso o cidadão não tenha feito nenhuma compra, mas tenha recebido um pacote suspeito, não abra, não semeie e não jogue no lixo. É necessário levar o conteúdo a um escritório da Cidasc ou do Mapa mais próximo para que sejam recolhidas. 

Também está disponível para contato os telefones 0800-644-6510 ou (48) 3665 7300 (WhatsApp), do Departamento Estadual de Defesa Sanitária Vegetal do estado, onde a pessoa poderá solicitar orientações adequadas.

De acordo com a legislação brasileira, todo material de multiplicação vegetal é considerado semente ou muda. A importação de qualquer quantidade destes produtos deve ter autorização do Mapa, mediante solicitação do interessado pela compra.

Colunistas