nsc
dc

Internacional

Spike Lee chama Bolsonaro e Trump de gângsteres ao abrir Festival de Cannes

O cineasta preside o festival neste ano; a abertura do evento aconteceu nesta terça-feira, por volta das 14h25 no horário de Brasília

06/07/2021 - 14h35 - Atualizada em: 06/07/2021 - 14h59

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Spike Lee falou sobre Bolsonaro durante discurso de abertura
Spike Lee falou sobre Bolsonaro durante discurso de abertura
(Foto: )

Spike Lee, cineasta americano, que preside o júri da 74ª edição do Festival de Cannes, chamou Bolsonaro de "gângster" durante a abertura do evento, nesta terça-feira (6). 

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

"O mundo está sendo comandado por gângsteres. Há o agente laranja [o ex-presidente americano, Donald Trump], o Cara do Brasil [Jair Bolsonaro] e [o presidente russo Vladimir] Putin. São bandidos e vão fazer o que desejarem. Não têm moral ou escrúpulos, precisamos falar alto sobre gente assim", disse o cineasta durante o discurso. 

O Festival de Cannes voltou a acontecer, depois de ter sido cancelado em 2020, por conta da pandemia. O júri, neste ano, conta com cinco mulheres e quatro homens, incluindo membros de origem africana, asiática e latino-americana. O diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho, vencedor do Prêmio do Júri em 2019, por "Bacurau" é um dos participantes. 

​​> O que fica proibido e liberado em SC com novo decreto contra Covid-19

Lee, que é o primeiro negro a presidir o corpo de jurados, já esteve na Croisette por três vezes na disputa pela Palma de Ouro. Saiu com o Grande Prêmio do Júri em 2018, por "Infiltrado na Klan", mas o cineasta ainda hoje é lembrado por muitos como injustiçado pelo festival, quando seu explosivo "Faça a Coisa Certa" foi esnobado pelo júri presidido por Wim Wenders, em 1989.

"Muita gente disse que o filme daria início a uma série de motins raciais pelos EUA", disse Lee, em referência ao conteúdo de seu longa, sobre uma rebelião em um bairro negro em Nova York. "Escrevi o filme em 1988. Mas aí você vê o irmão Eric Garner e o rei George Floyd mortos [ambos homens negros assassinados por policiais brancos, em 2014 e 2020], lembro do [personagem de 'Faça a Coisa Certa' também assassinado] Radio Raheem. Você espera que 30 malditos anos depois a população negra não seja mais caçada como animais." 

> Bolsonaro deverá ter encontro com empresários em Joinville no início de agosto

O presidente do júri também comentou uma das grandes polêmicas envolvendo o Festival de Cannes: a resistência do evento em apresentar na mostra competitiva obras produzidas apenas para o streaming - o regulamento exige que só longas que também terão exibição em salas de cinema francesas possam disputar a Palma de Ouro. A Netflix, em protesto, boicota o evento desde 2019. 

"O cinema e o streaming podem, sim, coexistir", disse. 

> Retomada dos EUA vai impulsionar o ocidente até no longo prazo, prevê economista

O Festival de Cannes começa oficialmente nesta terça-feira, a partir das 19h25 (14h25, no horário de Brasília), com uma cerimônia de abertura, seguida da estreia mundial de "Annette", aguardado longa do francês Leos Carax, estrelado por Marion Cotillard e Adam Driver.

Leia também:

Criciúma coloca no fim da fila quem tenta escolher vacina da Covid: "Não é vinho"

SC tem a menor taxa de ocupação de leitos de UTI adulto desde fevereiro

Apartamento pega fogo em Canasvieiras e mobiliza Bombeiros de Florianópolis

Colunistas