nsc
dc

Redes sociais

Twitter apaga post racista de Mario Frias, por ter violado regras de conduta

O post foi entendido como conduta de propagação de ódio

15/07/2021 - 17h26

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Secretário especial da Cultura, Mario Frias
Mario Frias, secretário especial da Cultura do governo Bolsonaro
(Foto: )

O Twitter apagou uma publicação racista de Mario Frias por violar regras de conduta da rede social. O post foi entendido como conduta de propagação de ódio. 

O secretário especial da Cultura do governo Bolsonaro, Mario Frias, postou um comentário direcionado a um ativista negro, dizendo que ele precisaria tomar banho. O assessor da Presidência Tercio Arnaud Tomaz reproduziu uma chamada do site Brasil247 com foto do ativista e título "Jones Manoel diz que já comprou fogos para eventual morte de Bolsonaro".

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Tomaz comentou: "Quem caralhas é Jones Manoel?". Mario Frias então respondeu: "Realmente eu não sei. Mas se eu soubesse diria que ele precisa de um bom banho." Jones é um homem negro, com cabelo estilo black power e barba.

"O Twitter tem regras que determinam os conteúdos e comportamentos permitidos na plataforma, e violações a essas regras estão sujeitas às medidas cabíveis", afirma a empresa, em nota. 

> Bolsonaro evolui de forma satisfatória e sem prazo de alta, diz hospital

Jones Manoel é um historiador pernambucano, estudioso da obra do intelectual italiano Domenico Losurdo, que impressionou Caetano Veloso pela sua crítica ao liberalismo. 

"Não é surpresa no governo Bolsonaro a presença de figuras abertamente racistas e que flertam - ou são abertamente também - com o fascismo ou nazismo. Jair Bolsonaro enquanto deputado tem um histórico de várias declarações racistas", afirma Manoel. "O governo Bolsonaro é um governo racista [...] e que acolhe sem nenhum problema essas figuras racistas. E o Mario Frias se sentiu à vontade para fazer isso." 

> Governador de São Paulo, João Doria testa positivo para Covid pela segunda vez

Após repercussão negativa, Frias tentou se justificar, associando sujeira com a militância comunista de Manoel e não com o cabelo black power - apesar de que no post anterior Frias tenha dito que não conhecia o ativista. 

"Toda pessoa suja precisa tomar banho e não existe pessoa mais suja do que aquela que deseja e celebra a morte de um Chefe de Estado democraticamente eleito enquanto louva um genocida como Stalin."

*Por Eduardo Moura.

Leia também

> Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

> As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

> Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

> Efeitos colaterais da astrazeneca; veja os sintomas mais relatados

Colunistas