Mais uma variante do coronavírus tem chamado atenção da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Lambda foi detectada em países da América do Sul e, no Brasil, provocou a morte de uma pessoa. Cientistas ainda tentam descobrir mais detalhes sobre sua capacidade de transmissão e também se as vacinas são capazes de proteger contra a cepa.

Continua depois da publicidade

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

> Variante alfa da Covid-19 é detectada pela 1ª vez no Vale do Itajaí

Em junho, a OMS classificou a Lambda como variante de interesse. A classificação é diferente, por exemplo, da Delta, entendida como cepa de preocupação pelo órgão. Outras três — Alfa, Beta e Gama — têm a mesma especificação.

A Lambda já foi detectada em 29 países, sendo 20 deles latino-americanos. No Peru, onde a cepa foi encontrada pela primeira vez em dezembro de 2020, ela representa 81% dos casos confirmados.

Continua depois da publicidade

No Brasil foram registrados três casos e um óbito pela variante. Argentina e Chile também notificaram casos da Lambda.

Estudos laboratoriais preliminares — ainda não revisados por pares — apontam que os anticorpos induzidos pelas vacinas Pfizer, Moderna e CoronaVac são menos potentes contra a Lambda do que a cepa original.

A pesquisa foi conduzida por um grupo de cientistas da Universidade de Nova York e do Chile. Os indícios, contudo, não são suficientes para tirar conclusões fortes sobre a transmissão da Lambda e sobre a eficácia dos imunizantes.

Saiba mais sobre as variantes do coronavírus

Leia também 

Mitos e verdades sobre os efeitos colaterais da vacina contra Covid-19

Continua depois da publicidade

SC pode acabar com decreto de combate à pandemia; entenda melhor

Efeitos colaterais da Pfizer; veja os sintomas mais relatados

“Segundou com vacina” é aposta de Florianópolis para acelerar 2ª dose contra Covid

Destaques do NSC Total