nsc
an

Repercussão nacional

"Você lembra como é ter 10 anos?", pergunta joinvilense em vídeo sobre menina grávida após estupro

Em menos de 20 horas, publicação ultrapassava 2,5 milhões de visualizações

18/08/2020 - 14h55 - Atualizada em: 18/08/2020 - 15h02

Compartilhe

Patrícia
Por Patrícia Della Justina
Páginas com milhões de seguidores repostaram vídeo da joinvilense
Páginas com milhões de seguidores repostaram vídeo da joinvilense
(Foto: )

O aborto da menina de dez anos que engravidou após ser estuprada pelo tio no Espírito Santo motivou a joinvilense Annabel do Nascimento Machado a produzir um vídeo em que pergunta: "Você lembra como é ter 10 anos?". Em menos de 24 horas, o vídeo ultrapassou 2 milhões de visualizações. Mesmo que este seja um dos assuntos mais comentados dos últimos dias no Brasil, Annabel se surpreendeu: ela não imaginava que sua mensagem sobre empatia alcançaria repercussão nacional.

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia

Em 20 horas, o vídeo de Annabel foi visto mais de 2,5 milhões de vezes, além de receber interações e compartilhamentos de páginas verificadas e perfis famosos.

A mensagem que a criadora de conteúdo quis deixar é simples: 

- Antes de julgar o outro e apontar o dedo para outra pessoa, precisamos olhar para a gente e ver o que podemos fazer para mudar as coisas. Deve prevalecer o respeito por todas as religiões, todas as pessoas e o amor ao próximo - ressalta. 

> Tio suspeito de engravidar menina de 10 anos no Espírito Santo é preso em Minas Gerais

No vídeo, Annabel fala sobre a própria infância, detalha sua rotina aos dez anos e traz imagens de momentos importantes desse período. Em comparação com a menina violentada pelo tio, Annabel questiona:

- Eu fico me perguntando se um dia os desenhos, as cartinhas, as brincadeiras, as paixões, o Thiago, a Juju e toda a minha alegria, que era viver, sumissem? E, no lugar, viesse dor, estupro, medo, sangue, choro, lágrimas e tristeza? E minha vida mudasse para sempre? E eu fosse morta por dentro com só dez anos de idade? - indaga Annabel na publicação. 

> Secretária de Assistência Social explica como denunciar casos de estupro de crianças

Segundo a criadora, a principal ideia era fazer com que as pessoas que o assistissem se colocassem no lugar da criança que foi vítima do crime. 

- A palavra "empatia" está em alta, mas as pessoas não conseguem colocá-la em prática - pontua. 

Confira a publicação:

Roteiro criado durante a madrugada

Annabel conta que estava inquieta com o assunto, mas que não havia se posicionado porque a fragilidade do tema não a fazia se sentir bem. Foi quando a criadora começou a analisar os comentários a partir do assunto e assistiu ao vídeo de religiosos que se manifestaram contrários à decisão de interrupção da gestação da vítima em frente ao hospital onde a menina realizava o procedimento cirúrgico, em outro estado brasileiro que não foi divulgado para proteger a criança.

- Pensei que, mesmo que eu seja uma micro influenciadora, eu preciso me posicionar diante dos meus seguidores - destaca. 

> Reações ao aborto de criança estuprada revelam Brasil desumano e fundamentalista

Durante a madrugada da última segunda-feira (17) Annabel não estava conseguindo dormir. De tão inquieta que o assunto a deixava, ela resolveu levantar e escrever o roteiro no meio da noite. Segundo ela, as ideias foram surgindo e o texto nascendo a partir das melhores lembranças de sua infância. 

A joinvilense já criava conteúdo para a internet, mas o máximo de visualizações que havia atingido era 60 mil. 

- Eu imaginava que poderia ter um alcance semelhante, mas ainda menos. Não imaginava que teria tanto compartilhamento assim, e tão rápido - comenta. 

> Justiça determina que Twitter e Facebook tirem do ar postagens sobre menina que engravidou após estupro

Atualmente, Annabel é produtora de conteúdo independente e tem as redes sociais como uma fonte de renda secundária.  

Colunistas