nsc
nsc

Investigação

Operação contra advogados e agentes prisionais em SC se arrasta na Justiça

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
31/08/2021 - 11h14
Operação foi deflagrada pela primeira vez no dia 24 de março de 2015
Operação foi deflagrada pela primeira vez no dia 24 de março de 2015 (Foto: Rafaela Martins/Agência RBS)

Há seis anos a Diretoria de Estadual de Investigações Criminais (Deic) colocou nas ruas a operação Ragalia. A investigação apurou a facilitação por parte de agentes prisionais, com o apoio de advogados, para a fuga e benefícios aos detentos que não eram previstos pela lei. Além dos servidores e defensores, foram alvos também criminosos detidos no Presídio Regional de Blumenau, onde atuavam os agentes. No entanto, desde 2016 o processo se arrasta no Judiciário. A Regalia, em formato de operação, chegou a ser deflagrada duas vezes. A primeira ocorreu em 2015 e a segunda no final de 2016.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

No Judiciário, o processo foi dividido em partes por conta do alto volume e complexidade, mas a ação principal chegou a ficar pronta para sentença em 2018. O cenário mudou no ano passado com outra decisão que apontou a necessidade de uma sentença conjunta de todas as ações, e até agora o caso segue em primeira instância. Ele tramita na 3ª Vara Criminal de Blumenau.

Dos envolvidos, parte ficou presa por oito meses e também afastada dos cargos públicos. Entre os investigados está o então diretor da unidade prisional na época da operação. A denúncia do Ministério Público (MP-SC) detalha o esquema e expõe graves casos que teriam ocorrido pelo menos desde 2014.

A investigação iniciou ainda em 2012, quando os policiais apuravam os atentados a ônibus e prédios públicos organizados pelo Primeiro Grupo Catarinense (PGC). Durante interceptações telefônicas surgiram os primeiros indícios de irregularidades no presídio.

No organograma da corrupção, os agentes prisionais seriam o elo dos presos com os benefícios. O esquema teria iniciado com a liberação de pequenos bens, como celulares. Depois teria aumentado, com a entrada de sacolas cheias de equipamentos. Os agentes passariam a aceitar mediante pagamento de propina até mesmo a entrada de prostitutas.

Leia também

MP vai apurar se prefeito de Criciúma agiu com preconceito ao demitir professor

Postos terão que informar origem do combustível na bomba em Florianópolis

Furto de energia elétrica e ocupação irregular estão na mira de operação policial em Florianópolis

Passaporte de vacinação em Florianópolis agrava a crise em bares e restaurantes, diz Abrasel

Última casa 'engolida' por dunas nos Ingleses é demolida em Florianópolis; veja vídeo

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas