nsc
dc

Investigação

MP vai apurar se prefeito de Criciúma agiu com preconceito ao demitir professor

Prefeito Clésio Salvaro (PSDB) classificou o clipe exposto por professor de arte como "viadagem"

26/08/2021 - 18h22 - Atualizada em: 26/08/2021 - 18h43

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Escola Pascoal Meller no Bairro Santa Augusta, em Criciúma
Prefeito anunciou demissão do professor na noite desta quarta
(Foto: )

O Ministério Público de Santa Catarina vai investigar se o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB) agiu com preconceito ao demitir um professor da rede pública do município. O educador foi exonerado após expôr à turma de 9º ano um clipe do rapper Criolo, da música Etérea, que aborda a diversidade.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

"Essa viadagem na sala de aula nós não concordamos", enfatizou o prefeito em vídeo publicado no começo da noite de quarta-feira (25), quando informou publicamente sobre a demissão. O professor de artes atuava com contrato temporário em uma escola do município. 

Após a repercussão do vídeo, uma denúncia enviada ao Ministério Público motivou a abertura de um procedimento para apurar a conduta do gestor municipal. 

Segundo o órgão, a investigação vai apurar se a exoneração do professor ocorreu dentro dos limites legais e se a demissão gerou "prejuízo à dignidade humana de caráter coletivo". 

O que significa LGBTQIA+?

Além disso, a promotoria deve apurar se o município e a escola têm políticas públicas voltadas à diversidade, conforme prevê a legislação.

Escola Pascoal Meller no Bairro Santa Augusta, em Criciúma
Escola Pascoal Meller no Bairro Santa Augusta, em Criciúma
(Foto: )

- Vou verificar se a conduta do prefeito violou princípios da dignidade humana previstos na Constituição Federal e na legislação ordinária - afirmou o promotor de justiça, Fred Anderson Vicente.

Professor de Rio Negrinho deixa a cidade após ataque por trabalho sobre diversidade em escola

 O que diz a prefeitura

Procurada pela reportagem, a prefeitura argumentou que as atividades em sala de aula são orientadas "a partir das Diretrizes Curriculares, por meio do Plano de Ensino Unificado".

ELA FAZ HISTÓRIA: conheça a primeira trans na PMSC

Em nota, disse que o plano municipal reúne todos "os conteúdos que deverão ser ministrados junto aos estudantes" e reafirmou que "conteúdo inapropriado" apresentado pelo professor demitido estava "em desacordo com a proposta do Conselho Nacional de Educação"

A mesma nota avisa aos país de alunos que frequentam escolas municipais, que façam denúncias ao "perceberem qualquer atitude semelhante".

Leia também

“Quero deixar meu legado e ajudar pessoas” diz gêmea trans que fez mudança de sexo em Blumenau

Militar trans que se formou em SC poderá usar uniforme e corte de cabelo femininos por decisão da Justiça

Homens que deram 25 facadas em mulher trans são condenados em Içara

28 de junho: como é ser LGBTI em Santa Catarina?

Gêmeas fazem cirurgia de mudança de sexo em Blumenau

Colunistas