nsc
    nsc

    SOBREVOO PELO ESTADO

    O que está por trás da pressa de Bolsonaro na visita a SC

    Compartilhe

    Carolina
    Por Carolina Bahia
    04/07/2020 - 12h38 - Atualizada em: 04/07/2020 - 21h09
    Estado busca ajuda federal para recuperar perdas provocadas pelo ciclone bomba
    Estado busca ajuda federal para recuperar perdas provocadas pelo ciclone bomba (Foto: Diorgenes Pandini / NSC Total)

    A visita do presidente Jair Bolsonaro a Santa Catarina, cinco dias depois de um ciclone bomba ter provocado prejuízos e mortes, foi rápida e teve poucos efeitos práticos, frustrando as expectativas. O sobrevoo esperado de duas horas ficou em 30 minutos e o presidente não anunciou os recursos aguardados pelas autoridades. Dos 185 municípios atingidos, ele sobrevoou apenas dois. 

    > Ciclone desta semana supera Furacão Catarina e é o pior desastre com ventos da história de SC

    Ao chegar ao Estado na manhã deste sábado, às 8h20min, o presidente conversou rapidamente com lideranças políticas no aeroporto e, em seguida, entrou no helicóptero. Às 10h25min já estava embarcando de volta para a capital federal.

    > Opinião: Visita de Bolsonaro a Santa Catarina foi uma decepção

    A pressa tinha um motivo: o presidente estava com um almoço marcado, em Brasília, com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, em comemoração ao 4 de julho, dia da Independência dos EUA.

    > Tornados podem ter passado por SC junto com ciclone, segundo Puchalski

    Em Florianópolis, o presidente optou por falar apenas com um veículo de imprensa e não conversou com os demais jornalistas que o aguardavam, surpreendendo deputados e senadores que iriam participar também da entrevista coletiva. Líderes políticos locais, no entanto, reconhecem o gesto político do presidente:

    - Reconhecemos a importância da visita do presidente. Que essa preocupação se transforme em agilidade na liberação de recursos - disse à coluna o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro.

    > VÍDEO: imagens aéreas mostram estragos causados pelo ciclone em Garuva

    O secretário Nacional de Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, permanece em Santa Catarina, auxiliando no levantamento das perdas.

    Leia também:

    > Mega-Sena: confira os números do concurso 2.276 sorteado neste sábado

    > Sem luz há quatro dias, moradores de SC protestam contra a Celesc

    > SC registra 7 novas mortes e tem mais 1,6 mil casos de coronavírus neste sábado

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas