nsc
    dc

    Terceira vez em SC

    Presidente Jair Bolsonaro sobrevoa duas das 185 cidades atingidas por ciclone em SC

    Havia expectativa de que o presidente anunciasse recursos para recuperação de regiões afetadas, o que não ocorreu; Bolsonaro ficou cerca de duas horas em SC

    04/07/2020 - 06h00 - Atualizada em: 04/07/2020 - 10h40

    Compartilhe

    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Juliana
    Por Juliana Gomes
    Presidente, de máscara, pousou no Aeroporto Hercílio Luz.
    Presidente, de máscara, pousou no Aeroporto Hercílio Luz.
    (Foto: )

    O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobrevoou na manhã deste sábado (4) duas das 185 cidades atingidas pelo ciclone da última terça-feira (30) em Santa Catarina. O presidente chegou ao Estado pontualmente às 8h17min e decolou de volta para Brasília pouco depois das 10h30min. Havia a expectativa de que ele anunciasse recursos, o que não ocorreu. 

    Segundo a vice-governadora Daniela Reinehr, Bolsonaro teria ficado "sensibilizado" com o que viu e indicou apoio para a reconstrução das áreas afetadas — mas não indicou quanto. Caberá ao governo de SC e às cidades fazer os levantamentos, projetos, e encaminhar as demandas de recursos ao Palácio do Planalto.

    > Viu esta? Ao menos quatro tornados podem ter passado por Santa Catarina junto com o ciclone bomba, diz Puchalski

    De máscara — como recomendam as autoridades de saúde por conta da pandemia do novo coronavírus —, o presidente deixou o avião por volta das 8h25min. Logo depois, Bolsonaro conversou com autoridades e tirou fotos com algumas pessoas. 

    A vice-governadora, Daniela Reinehr (fiel apoiadora do presidente e que mantém um atrito com o governador Carlos Moisés), representou o Estado na recepção a Bolsonaro, já que o governador de SC está isolado após diagnóstico de Covid-19. Os senadores Dário Berger (MDB), Espiridão Amim (PP) e Jorginho Mello (PL) também acompanharam Bolsonaro durante a passagem por SC.

    Bolsonaro cumprimenta a vice-governadora de SC, Daniela Reinehr.
    Bolsonaro cumprimenta a vice-governadora de SC, Daniela Reinehr.
    (Foto: )

    Cerca de 25 minutos depois de desembarcar, o helicóptero da Força Aérea Brasileira com o presidente decolou e começou a rota pelas regiões atingidas pelo ciclone. Estiveram na comitiva do presidente o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o secretário Nacional de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Junior.

    > SC terá outro ciclone na semana que vem; entenda.

    De helicóptero, a comitiva com Bolsonaro sobrevoou as cidades de Governador Celso Ramos e Tijucas, na Grande Florianópolis. Antes das 10h, o presidente já havia retornado ao Aeroporto Hercílio Luz. 

    Ele conversou com autoridades por menos de 30 minutos no retorno da vistoria e logo em seguida embarcou de volta para Brasília, onde participaria de uma cerimônia em homenagem ao aniversário da independência dos Estados Unidos. 

    Sem anúncio de liberação de recursos

    A expectativa era de que Bolsonaro anunciasse a liberação de recursos para ajudar na reconstrução das cidades mais afetadas. O presidente, porém, deixou SC sem conversar com os jornalistas e sem indicar quanto será repassado ao Estado. 

    O governador Carlos Moisés, em vídeo, disse que Bolsonaro sinalizou por repasses, mas não os especificou. Também em Florianópolis, o secretário nacional de Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, indicou que haverá suporte do governo federal.

    Essa foi a terceira vez de Bolsonaro em Santa Catarina como presidente. No ano passado ele esteve em Camboriú, para a abertura do Congresso dos Gideões em maio, e em Florianópolis para um evento na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal, em outubro.

    Presidente ficou por cerca de duas horas em SC.
    Presidente ficou por cerca de duas horas em SC.
    (Foto: )

    Prefeito de Gov. Celso Ramos é barrado

    O prefeito de Governador Celso Ramos, Juliano Campos, foi barrado na chegada ao Aeroporto Hercílio Luz e não pôde participar da recepção ao presidente Jair Bolsonaro. 

    A cidade foi uma das mais atingidas pelo ciclone bomba que passou pelo Estado na terça-feira, com um prejuízo estimado em R$ 100 milhões. Em entrevista à CBN Diário na manhã deste sábado, ele fez críticas ao governo do Estado e à organização da visita do presidente.

    — Cheguei ao aeroporto e meu nome nem sequer estava na lista. Ele [o presidente] atendeu os parlamentares no piso inferior, em uma sala reservada, e nem ali pude ter acesso. É um fato lamentável. Estou voltando para a cidade, porque trabalhando lá ganho mais do que ficar esperando sem retorno nenhum. 

    O prefeito complementa:

    — Consegui um helicóptero particular, de um amigo, para ver a dimensão do estrago na minha cidade. De lá para cá, mais nenhum contato [do governo do Estado]. Quem precisa é a cidade, e não o Juliano, para retomarmos a nossa autoestima. Mas tudo bem... Vou fazer todos os projetos e pedir auxílio para o governo do Estado que até agora só nos deu 14 rolos de lona.

    25 minutos depois de chegar a SC, presidente embarcou em um helicóptero para sobrevoar áreas atingidas pelo ciclone.
    25 minutos depois de chegar a SC, presidente embarcou em um helicóptero para sobrevoar áreas atingidas pelo ciclone.
    (Foto: )

    Chegada do presidente em SC, pontualmente às 8h17min.
    Chegada do presidente em SC, pontualmente às 8h17min.
    (Foto: )

    Leia mais

    "Fiquei filmando e rezando", diz mulher que registrou homens em andaime no temporal

    "Achei que tinha perdido o meu filho", conta mãe de bebê soterrado durante ciclone

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas