nsc
nsc

Censura

Livro com histórias sobre o “TJ de Santa Ignorância” vira polêmica judicial em SC

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
03/06/2021 - 06h00
Saíle Barreto e o livro Causos da Comarca de São Barnabé
Saíle Barreto e o livro Causos da Comarca de São Barnabé (Foto: Reprodução, Instagram)

As histórias de um juiz do "Tribunal de Justiça de Santa Ignorância", relatadas em um livro de ficção, viraram alvo de ações judiciais e de tentativa de censura em Santa Catarina. Dois processos, nas esferas cível e criminal, buscam barrar a publicação, lançada em fevereiro para venda virtual. O motivo da polêmica é o vilão da obra. Um magistrado de São José acusa a autora de tê-lo usado como "inspiração" para o personagem, que se chama Floribaldo Mussolini.

Promotor dá lição em homofóbicos em SC ao arquivar denúncia contra live 'Criança Viada'

O livro, "Causos da Comarca de São Barnabé", é a quinta obra da escritora catarinense Saíle Barbara Barreto. Trata-se de uma sátira ficcional do judiciário da "República Federativa de Bananalândia" – um assunto que a autora conhece bem. Advogada, Saíle é dona da página “Diário de uma Advogada Estressada”, que tem mais de 100 mil seguidores nas redes sociais. Desde 2017, ela usa o bom humor para relatar ali peculiaridades do trabalho das mulheres advogadas e registrar histórias que chegam de todo o país.

Vídeo censurado de Hang terá que ser republicado pelo YouTube

Foram justamente as publicações de Saíle nesta página, no Facebook, a causa dos processos judiciais. Em dezembro, o juiz Rafael Rabaldo, da Vara Especial Cível de São José, soube que a advogada o citou no "Diário de uma Advogada Estressada", questionando uma decisão judicial. Ele relatou o fato em mensagem por escrito à coluna:

“Menos de 24h depois (...), a advogada postou em seu perfil pessoal do Facebook a informação de que estaria escrevendo um novo livro e que o enredo acontece na Comarca de São Barnabé, esquecida por Deus (e pela Corregedoria)”, disse o juiz.

Intolerância: Aluna de psicologia ‘denuncia’ bandeira LGBT na casa do professor em SC

Dois anos antes, Saíle havia denunciado o mesmo magistrado à Corregedoria, por discordar de movimentações promovidas por ele em processos de seus clientes. A advogada afirma que não há qualquer relação entre o impasse e o livro que ela escreveu, que é uma obra de ficção. Para o magistrado, no entanto, “não restam dúvidas” de que ela se refere a ele.

“Colocou características perfeitamente identificáveis na estória, restando claro que sua pretensão era atingir os magistrados e servidores da Comarca de São José/SC, em especial a minha pessoa. Os marcos geográficos do fórum (localizado em frente ao maior shopping da cidade, o Shopping Baiacu, em alusão ao Shopping Itaguaçu), suas características arquitetônicas peculiares (horrenda, segundo a advogada), as unidades jurisdicionais mencionadas e os nomes escolhidos para as personagens deixaram bem óbvio de quem a advogada estava debochando. Com efeito, brincou com os nomes, fazendo trocadilhos e rimas com o nome verídico: juiz Rafael Rabaldo (JEC de São José) – Juiz Floribaldo (JEC de São Barnabé - esquecida pela Corregedoria)”.

Hacker de SC é condenado a devolver R$ 648 mil ao Banco do Brasil

Por determinação judicial, Saíle não pode citar o nome do magistrado, sob pena de pagar R$ 1 mil de multa. Em conversa com a coluna, sem citar nominalmente o juiz, ela negou que o impasse com a Justiça em São José tenha refletido na obra. 

- O vilão do livro é um juiz, e ele cismou que era ele. Como o nome rima, resolveu me processar. Mas (o livro) é uma sátira ao judiciário, totalmente ficcional. Os personagens têm família, o vilão é corrupto, tem uma amante. E eu nem o conheço (o juiz).

"Tentativa de censura"

Diante dos apontamentos do juiz, em dezembro de 2020 a Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC) apresentou uma representação ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). Em mensagem à coluna, a entidade de classe relacionou as postagens nas redes sociais ao conteúdo do livro, e afirmou que “a advogada Saíle Bárbara Barreto há meses tem publicado textos apresentados como fictícios, mas que são evidentes ofensas, calúnias e difamações contra o juiz”.

O MPSC instaurou um processo criminal contra Saíle por injúria, calúnia e difamação. A ação pede que sejam excluídas 47 publicações da advogada nas redes sociais – a maioria delas contém trechos do livro, que podem ser acessados publicamente. O processo corre na 3ª Vara Criminal de Florianópolis, e a defesa da escritora tenta fazer com que "suba" para o Supremo Tribunal Federal (STF), alegando conflito de interesses. Até agora, sem sucesso.

A segunda ação, segundo Saíle, foi movida pelo próprio juiz na esfera cível. Nela, iainda de acordo com a escritora, ele pede, além da remoção dos posts nas redes sociais, também a exclusão do livro da plataforma de venda virtual da Amazon e que a advogada seja impedida de fazer venda física da obra. Há no processo, ainda, um pedido de indenização de R$ 100 mil.

Até agora, as decisões judiciais se resumiram à determinação de exclusão de postagens nas redes sociais. Pelo menos uma delas foi contestada pelo Facebook, que considerou a decisão pouco específica, o que – segundo alega – vai de encontro ao Marco Civil da Internet.

Saíle, que tem passado por uma crise de estresse desde que os processos começaram, e afirma que as ações movidas contra ela tramitam com agilidade incomum.  

- É uma tentativa de censura, porque a ação é inibitória. E é uma perseguição – diz a escritora. 

O juiz, por sua vez, se diz exposto:

“Mesmo que a advogada diga que é puramente ficção, que o personagem do livro é apenas uma coincidência, não há como acreditar que não houve dolo em sua criação, com claro intuito de zombar da minha pessoa, vingar sua perda processual com o escárnio e humilhação”.

Apesar da pendenga judicial, o livro segue à venda na internet. Saíle Barreto também é autora de "Advocacia É Cachaça, né Minha Filha?", "Os Herdeiros da Nonna", "Tão Legal que Nem Parece advogada" e "Não Sou ou Tua Querida". Diante da polêmica, "Causos da Comarca de São Barnabé" ganhou, nas redes sociais, o apelido de “proibidão”.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Santa Catarina avalia eventos-teste para Covid-19 a partir de julho

Promotor dá lição em homofóbicos em SC ao arquivar denúncia contra live 'Criança Viada'

Aeroportos de SC estão à mercê da variante indiana do coronavírus

Convocação de Moisés e Daniela é desvio de foco na CPI da Covid

Prefeitura de Florianópolis não pode suspender aulas por suspeita de Covid, decide Justiça

Ação de governadores para não depor na CPI da Covid já está no STF

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas