nsc
nsc

paritário

MEC questiona modelo de eleição da UFSC e abre espaço para intervenção de Bolsonaro

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
11/05/2022 - 14h59
Lista tríplice foi enviada ao governo pelo Conselho Universitário
Lista tríplice foi enviada ao governo pelo Conselho Universitário (Foto: Felipe Carneiro, Arquivo NSC)

O Ministério da Educação enviou um ofício ao presidente do Conselho Universitário da UFSC, o reitor Ubaldo Balthazar, em resposta à lista tríplice para escolha do novo reitor e vice-reitor encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro (PL). O documento pede que o Conselho comprove se adotou o peso de 70% para os votos dos docentes na consulta à comunidade acadêmica - primeira etapa das eleições à reitoria.

Receba notícias do DC via Telegram

A UFSC não usou o sistema que é citado pelo MEC. Seguiu o modelo paritário, que prevê o mesmo peso para o voto dos professores, técnicos e estudantes na fase de consulta. Embora esteja prevista em lei, a regra dos 70% de peso para os professores não é seguida pela maioria das universidades federais, que consideram o modelo opcional porque a primeira etapa da eleição não é obrigatória, e tem caráter consultivo. A formação da lista tríplice vem da fase seguinte, da eleição no Conselho Universitário.

Liminar para suspender resultado de eleição na UFSC é negada pela Justiça

O ofício do MEC é assinado pela coordenador-geral de Governança, Gestão e Empreendedorismo do Ministério, Elisabeth Aparecida Corrêa Menezes, e pela diretora de Desenvolvimento da Rede IFES, Stephanie Silva. O documento foi enviado na terça-feira (10), e o reitor Ubaldo Balthazar terá sexta (13) para enviar as respostas.

Ofício do MEC
Ofício do MEC
(Foto: )

Além do questionamento sobre o critério de peso na votação, o ofício também pede o detalhamento da votação de cada candidato e documentos dos candidatos da lista tríplice que não foram entregues. Por fim, faz uma retificação quanto à data de permanência do atual reitor no cargo, afirmando que o mandato terminará no dia 4 de julho.

Fontes consultadas pela coluna apontaram que o questionamento do MEC quanto ao critério de peso na votação indica disposição para suspender ou mesmo cancelar as eleições, se a resposta da UFSC não for satisfatória.

A lista tríplice enviada pelo Conselho Universitário ao governo tem os nomes do professor Irineu Manoel de Souza, que venceu a consulta acadêmica, e das professoras Dilceane Carraro e Miriam Furtado Hartung. Para vice-reitor, a lista tríplice leva os nomes da professora Joana Célia dos Passos, Jacques Mick e Miriam Pillar Grossi.

Na semana passada, um pedido de liminar para suspender o resultado da primeira etapa da eleição de reitor e vice-reitor na UFSC foi negado juiz Eduardo Kahler Ribeiro, da 4ª Vara da Justiça Federal em Florianópolis. A ação contestou o modelo paritário. No entendimento do magistrado, por se tratar de uma consulta informal, sem caráter deliberativo, a comunidade acadêmica pode escolher qualquer processo de votação. 

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais​

​Em Florianópolis, Fux diz que Judiciário pode rever atos dos outros poderes

Quem são os catarinenses na lista de convidados para o casamento de Lula​

Pagar pedágio com o Pix? Projeto avança na Alesc e está perto de aprovação

Porto de Itajaí pode ficar com chineses ou árabes após leilão

"Jeitinho" na lei vai ajudar prédio de 140 andares em Balneário Camboriú; entenda

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas