nsc
nsc

aporofobia

Padre Julio Lancellotti expõe cidades por rejeição a pobres; Florianópolis e BC estão na lista

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
26/11/2021 - 15h44 - Atualizada em: 26/11/2021 - 17h13
Campanha contra esmolas em Balneário Camboriú
Campanha contra esmolas em Balneário Camboriú (Foto: Reprodução Instagram)

Cidades de Santa Catarina que fazem campanhas contra esmolas têm sido denunciadas, desde quinta-feira (26), pelo Padre Julio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo na Arquidiocese de São Paulo e ativista pelos direitos humanos. Padre Julio está em campanha aberta contra a aporofobia, termo cunhado pela filósofa espanhola Adela Cortina que significa “aversão aos pobres”.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Entrevista: Esmola é questão de foro íntimo e decisão não cabe ao Estado, diz padre Julio Lancellotti

A primeira cidade catarinense a aparecer entre as publicações do padre foi Florianópolis, seguida de Balneário Camboriú. Depois, vieram Porto União, Jaraguá do Sul e Itajaí. Também há imagens de municípios nos estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Preço dos imóveis à beira-mar em Balneário Camboriú dispara com alargamento

Todas têm o mesmo teor, mostram campanhas publicitárias nas ruas ou nas redes sociais, patrocinadas pelas prefeituras, que pedem que a população não forneça esmolas. Na legenda, o padre escreve “aporofobia em ação”.

As publicações têm recebido comentários de todo o país, em que os seguidores apontam outros municípios, em diferentes estados, que também recomendam ou determinam que não se deem esmolas.

Os atalhos que o governo pegou para liberar as máscaras em SC

As campanhas feitas pelas prefeituras costumam ter como objetivo incentivar a procura pelos órgãos de assistência social pela população em situação de rua. No entanto, a demanda tem aumentado consideravelmente diante da crise econômica, que empurra brasileiros para situação de miséria.

Multa para pedintes

Em 2017, a Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú aprovou um projeto de lei que estabelecia multa de R$ 500 a R$ 2,6 mil para pedintes, vendedores e artistas de rua que estivessem nos semáforos. A proposta era do vereador Marcos Kurtz (então no MDB, hoje no Podemos), que atualmente preside o Legislativo. A repercussão negativa levou o prefeito Fabricio Oliveira (Podemos) a vetar a lei. 

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais:

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Prédio mais alto da América do Sul tem Neymar, Luan Santana e números recordes em Balneário Camboriú

Polêmico, uso de fuzis por Guardas Municipais chega a SC

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas