nsc
nsc

Pandemia

SC ficará fora da corrida dos estados pela compra da vacina

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
10/05/2021 - 10h33
Vacinação em Santa Catarina
Vacinação em Santa Catarina (Foto: Arquivo, NSC)

Santa Catarina não entrará na corrida dos estados pela compra de vacinas. Pelo menos por enquanto. De volta ao governo, Carlos Moisés (PSL) defende que a aquisição de doses deve ser centralizada no governo federal, e entende que esta é uma questão humanitária.

> Em artigo, Moisés cutuca adversários e diz que impeachment foi "desapreço" a SC

Em conversa com a coluna, na manhã desta segunda-feira (10), Moisés disse que já se posicionou a respeito no ‘grupo dos governadores’. Ele ressaltou que o problema não são recursos para a vacina no Estado - Santa Catarina tem R$ 300 milhões que poderiam ser investidos na compra de doses – mas a distribuição.

> O que esperar das restrições em SC após retorno de Moisés e André Motta

O entendimento do governador é que, caso consigam adquirir doses, os estados deveriam doá-las ao governo federal para que haja uma distribuição uniforme, e que atenda a critérios de prioridade. No momento, pelo menos seis estados, além do Distrito Federal, estão consorciados para a compra de doses – que ainda não ocorreu.

- Nossa saída, por questão humanitária, é a centralização pelo governo federal. Se algum Estado conseguir, tem que entregar para o governo central. Não é porque um estado tem dinheiro, que vai vacinar antes dos demais. Nossa saída da pandemia é a vacinação – diz.

> Com fim do impeachment, está na hora de Moisés governar

Apesar disso, a compra de vacinas pelo Estado não está totalmente descartada pelo governador.

- Não significa que, se por alguma razão o governo federal não comprar vacinas, e Santa Catarina tiver acesso a elas, não vamos comprar – ponderou.

> Voto da esquerda livrou Moisés do impeachment

Moisés afirma que as informações que vêm do Ministério da Saúde são de que não faltam recursos federais para vacinas no Brasil. O problema, segundo ele, está na indisponibilidade de doses por parte dos fabricantes - e isso dificulta a entrada dos estados nesse mercado.

Moisés também falou sobre a compra de vacinas por prefeituras. O processo mais adiantado é o Conectar, da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que tem à frente o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM). Para o governador, a aquisição de vacinas pelos municípios pode pressionar os preços e criar situações em que cidades saiam na frente de outras na imunização – o que, na opinião dele, não atende de forma adequada o combate à pandemia.

- Não basta um, dois ou três municípios estarem imunizados. É preciso distribuir a vacina por vulnerabilidade, atender os que mais precisam primeiro.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Jovem de SC consegue autorização na Justiça para plantar maconha

Idosa 'apanha' de comediante em vídeo para estimular vacina em SC

Remédios do kit intubação ficam retidos pelo fisco em SC, alerta OAB

Em ataque a creche de SC, professoras trancaram crianças na sala de aula para evitar mais mortes

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas