nsc
nsc

Política

Voto da esquerda livrou Moisés do impeachment

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
07/05/2021 - 15h56
Deputado Fabiano da Luz deu o voto que selou o retorno de Moisés ao governo
Deputado Fabiano da Luz deu o voto que selou o retorno de Moisés ao governo (Foto: Daniel Conzi, Alesc)

A sessão final do impeachment de Carlos Moisés (PSL) contou com uma daquelas ironias que só são proporcionadas pela política. Graças à ordem de votação estabelecida pelo rito do Tribunal de Julgamento do Impeachment, o voto ‘de ouro’, que garantiu ao governador a volta ao cargo, coube justamente ao representante do PT no grupo de julgadores – o deputado Fabiano da Luz.

> Carla Zambelli divulga telefone pessoal de deputados de SC para pressionar pelo impeachment

Isso ocorreu porque, entre os membros do Tribunal de Julgamento, a votação levou em conta a antiguidade. Votaram antes os deputados com mais tempo na Assembleia Legislativa, e os desembargadores com mais tempo de Tribunal de Justiça. Quando o deputado Fabiano da Luz foi chamado a se manifestar, o placar era de 4 a 3 pelo impeachment de Moisés. Com o voto do petista, não haveria mais chances de que os favoráveis ao impedimento alcançassem o mínimo de dois terços da votação.

> Justiça nega segundo pedido de deputado para suspender impeachment

O PT chegou a reunir a executiva e a bancada, dias antes da votação, para definir que lado escolheria. Até mesmo o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que defendeu a ex-presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment, foi chamado. A escolha era uma ‘saia-justa’ para o partido: nem Moisés, nem Daniela, têm qualquer alinhamento ideológico com a esquerda. Ambos foram eleitos por uma corrente antagônica ao PT, na ‘onda' marcada pela antipolítica e pelo apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

> PT escolhe lado na batalha de bolsonaristas de SC

Mas pesou, na decisão, o histórico do partido, para quem o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff é uma página ainda em aberto. Por unanimidade, os petistas consideraram que votar pelo impedimento de Moisés afetaria a estabilidade democrática. Avaliaram, ainda, que o governador seria mais ‘palatável’ do que a vice – ainda que não haja sinal de aproximação formal.

> “A ala bolsonarista está muito feliz”, diz deputada Carla Zambelli sobre Daniela no governo de SC

Eleito pelo ´17´, que lhe garantiu uma votação recorde e inesperada em 2018, Moisés talvez já possa incluir mais entre seus números da sorte: o '13'.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

> Conselho do MP admite que defesa de Moisés não teve acesso ao inquérito dos respiradores

Em ataque a creche de SC, professoras trancaram crianças na sala de aula para evitar mais mortes

​Morte de Paulo Gustavo: O Brasil perdeu a graça

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas