A nova política industrial para o período de 2024 até 2033, anunciada pelo presidente Luíz Inácio Lula da Silva e o vice-presidente Geraldo Alckmin na última segunda-feira (22), traz seis “missões” prioritárias para impulsionar o setor. Uma parte é promissora, mas outra acende o sinal de alerta porque, se de um lado incentiva a inovação, de outro propõe ajuda a setores ainda não competitivos, que podem fracassar.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A lista inclui: missão 1, cadeias agroindustriais sustentáveis; missão 2, inovação para saúde; missão 3, infraestrutura e moradia; missão 4, transformação digital; missão 5, transição energética; e missão 6, tecnologia para defesa.

Setores econômicos consideraram oportunas a maioria das missões, alinhadas com o que o mundo desenvolvido vem fazendo para avançar na neoindustrialização, que consiste em produzir com inovação, sustentabilidade, responsabilidade social e integração internacional. Mas entre os problemas estão sociedade em empresas privadas e falta de atenção às exportações.

Como a economia de SC teve desempenho melhor do que a nacional em 2023

Continua depois da publicidade

O mercado financeiro não gostou de o governo ter anunciado que investirá R$ 300 bilhões nessa política. Alertou que uma das principais razões do atraso da indústria do país é o déficit fiscal: altos gastos do setor público resultam em juros e inflação altos, que sufocam a economia. Dos recursos anunciados, R$ 271 bilhões serão empréstimos a juros subsidiados, R$ 21 bilhões serão recursos não reembolsáveis e R$ 8 bilhões para compra de ações de empresas via BNDES.

A redução de juros pode ser positiva se forem projetos empresariais privados competitivos no Brasil e no mundo. Recursos não reembolsáveis deveriam ter foco em soluções inovadoras ao mercado, e a aquisição de ações via BNDES é erro que não deveria ser repetido.

Varejista de SC e gigante de eletros fazem ação voltada à eficiência energética

O país precisa evitar erros como recentes investimentos bilionários para produzir plataformas de petróleo e navios, que não deram certo, ou para incentivar setores que poderiam andar com as próprias pernas.

Para Santa Catarina, a maioria dessas políticas é convergente com o que o parque fabril do Estado, um dos mais competitivos do Brasil, já faz com êxito. Prova disso é a forte participação da indústria catarinense nos mercados interno e externo.

Continua depois da publicidade

Leia outras análises e informações da coluna de Estela Benetti

O presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, diz que o plano contém medidas muito boas para a indústria brasileira e, principalmente, à indústria catarinense. De fato, diversos setores da indústria de SC estão preparados e poderão avançar com apoio da Nova Indústria Brasil.

Leia também

Aeroporto de Florianópolis registra movimento recorde de cargas em 2023

Lei que limita reajuste do IPVA entra em vigor em Santa Catarina

Mais de mil empresas afetadas por chuvas fazem empréstimos emergenciais via BRDE

Destaques do NSC Total