nsc
nsc

Opinião

Decreto de SC sobre máscaras delega ao comércio função de fiscal do coronavírus

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
25/11/2021 - 08h40
Medida do governo do Estado foi publicada no Diário Oficial de quarta (24)
Medida do governo do Estado foi publicada no Diário Oficial de quarta (24) (Foto: Patrick Rodrigues, BD, Santa)

Blumenau, manhã de segunda-feira (22). Um homem sem máscara chega à loja de conveniências de um posto de combustíveis. O diálogo a seguir é uma amostra de como o decreto de SC que libera a população de usar máscaras ao ar livre, publicado na quarta-feira (24), delegará ao comércio a função de fiscal do coronavírus:

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

— Posso entrar rapidinho sem máscara só para pegar pão?

— Negativo — respondeu, mascarado, o homem no caixa.

— Você pode, então, pegar o pão para mim e eu pago para você aqui na porta?

— Desculpe, mas não tenho permissão para sair do caixa.

— Mas eu só vou ali e já saio.

— Não posso, amigo. Tem câmeras e você vai me complicar.

Irritado, o cliente ainda permaneceu à porta por um instante antes de ir embora soltando impropérios contra o funcionário diligente.

A decisão do governador Carlos Moisés (sem partido) não produz efeitos práticos significativos para a situação nas ruas. Já havia mais rostos descobertos do que cobertos circulando pelas cidades de Santa Catarina. O resultado direto da flexibilização é pressionar a exigência ainda em vigor: o uso de máscaras em ambientes fechados. Episódios como o descrito acima, vividos desde o início da pandemia, vão multiplicar-se.

É confortável para o governo legislar desta forma porque, em primeira análise, não será ele o responsável por garantir que, entre quatro paredes, bocas e narizes estejam sob máscaras. Recairá sobre comerciantes, motoristas de ônibus, donos de restaurantes, bares, farmácias, clubes, associações, teatros, cinemas e empresas em geral o peso de dizer não a cada pessoa que esquecer, perder ou recusar-se a usar máscara. Pela experiência pregressa, o que deve ocorrer é um relaxamento na última fronteira contra o vírus.

Especialistas têm contestado de forma quase unânime a flexibilização aqui e em São Paulo, que anunciou a mesma medida para 11 de dezembro. Alegam que, apesar da já avançada campanha de vacinação contra a Covid-19, o risco de contágio em ambientes abertos existe, embora reconheçam ser menor. Ainda há muito Sars-Cov-2 circulando no mundo, especialmente onde grupos criminosos antivacina fazem estrago. A guerra não está vencida.

O resultado prático da medida catarinense tende a ser um número menor de máscaras em mochilas, bolsas, bolsos e automóveis. O acessório pode cair em desuso justamente na época em que ar-condicionado e janelas fechadas são regra.

Esperar um pouco mais não mataria ninguém. A pressa, por outro lado, ainda pode fazer vítimas.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Leia também

Praça da prefeitura de Blumenau perde 21 árvores para dar espaço a restaurante

Blumenau terá concerto de Natal nas janelas de casarão histórico

Estudantes abandonam os ônibus em Blumenau e pesam na retomada do serviço

Faixa de mar em Florianópolis será batizada com o nome de um catarinense ilustre

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas