nsc
nsc

ESPÍRITO COLABORATIVO

Parque fabril da Marisol vai virar condomínio industrial com espaço até para concorrentes

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
03/11/2021 - 16h06 - Atualizada em: 03/11/2021 - 16h07
Parque fabril da Marisol em Jaraguá do Sul
Parque fabril da Marisol em Jaraguá do Sul (Foto: Divulgação)

No melhor espírito "juntos somos mais fortes", a Marisol, uma das maiores empresas têxteis de Santa Catarina, vai transformar o próprio parque fabril, em Jaraguá do Sul, em um condomínio industrial. Com isso, abrirá espaço para a instalação de outras companhias do ramo, inclusive concorrentes diretas, formando uma espécie de polo têxtil localizado.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

O modelo é comum na cadeia automobilística, mas é inédito no setor têxtil no Brasil, garante Giuliano Donini, CEO da Marisol. Ele também preside a Câmara de Desenvolvimento da Indústria Têxtil, Confecção, Couro e Calçados da Federação da Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc).

Na prática o condomínio, que vai se chamar Sistex, funcionará como um grande ecossistema têxtil, reunindo fornecedores de insumos e empresas produtoras. Ao menos uma malharia já está confirmada e deve começar a operar no local em dezembro. Há também negociações em andamento com outras companhias, inclusive de outros estados.

Um dos objetivos é fomentar uma cultura de coopetição – uma mistura entre colaboração e competição. Com isso, todas as empresas envolvidas saem ganhando, avalia Donini. A Marisol, em particular, também aproveitará para ocupar áreas eventualmente ociosas do parque fabril, que tem 70 mil metros quadrados de área construída, com potencial para chegar a mais de 100 mil metros quadrados.

— A competição está dada, é do ambiente de negócios, do capitalismo. O que não é clássico é a cooperação — justificou Donini à coluna.

Não haverá, acrescenta o executivo, a obrigatoriedade de as empresas instaladas no condomínio fazerem negócios entre si, mas a proximidade e a divisão de despesas fixas a partir de uma infraestrutura de uso comum deve tornar este um caminho mais natural.

A lista de vantagens nessa estratégia ainda inclui otimização de custos logísticos e conexões diretas que ajudariam a estimular a troca de experiências, produtos e serviços, o que pode resultar em ganhos de competitividade para as empresas envolvidas. Há também um apelo sustentável na proposta, que permite o reaproveitamento de materiais da cadeia produtiva.

— Estamos abrindo o espaço físico e o ambiente para que as coisas que interessam, a gente possa fazer junto — analisa Donini.

Segundo o executivo, a Marisol vai constituir uma empresa específica para administrar o condomínio Sistex – que terá esse nome por representar um local para sistemistas da cadeia têxtil. A capacidade produtiva seria suficiente para até 1,2 mil toneladas ao mês. À coluna, o empresário revelou que já há planos mapeados para ampliar a área física do atual parque fabril. O tamanho do investimento ainda está sendo definido.

Espírito colaborativo

As únicas “exigências” para o ingresso no condomínio serão a empresa ser do setor e ter espírito colaborativo, diz Donini. O empresário é um entusiasta deste conceito desde os tempos de Santa Catarina Moda e Cultura, um movimento criado em 2005 para fortalecer a conexão entre empresas, varejo e academia, com foco em colaboração para geração de valor da indústria da moda do Estado.

— A gente já há alguns anos tem uma direção dos nossos próprios negócios, acreditando em um comportamento de sociedade e ambiente de negócios onde as coisas vão funcionar de forma mais colaborativa, em plataforma — defende Donini.

Segundo dados compilados pelo Observatório Fiesc, o segmento têxtil e de confecções tem 9,1 mil empresas no Estado e gera 171 mil empregos, representando 21% da indústria catarinense. Os dados são da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2019. Para Donini, projetos como o do condomínio fortalecem essa vocação do setor, criando uma cultura industrial que até poderia ajudar a impedir a migração de atividades para outras regiões do país.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Sommerfest Blumenau 2022 vai exigir passaporte da vacina

Natal em Blumenau prevê chafariz com luzes e cores na Ponte de Ferro

Vice-presidente Hamilton Mourão cancela palestra em Blumenau

Furb facilita condições de pagamento para vender terreno gigante em Gaspar

Blumenau vai ganhar um strip mall, tipo diferente de shopping

Quais são as empresas bilionárias de Santa Catarina​

Cooper se prepara para entrar no atacarejo

Fundo que investiu no Burger King vai acelerar expansão de empresa de Blumenau​​

Calçadão Brueckheimer em Blumenau pode ganhar cobertura

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas