nsc
    nsc

    Estiagem

    Nasa chama atenção para a seca na América do Sul

    Compartilhe

    Puchalski
    Por Puchalski
    19/11/2020 - 16h00 - Atualizada em: 19/11/2020 - 20h17
    Porcentagem de água no sol em outubro de 2020
    Porcentagem de água no sol em outubro de 2020 (Foto: Nasa / Reprodução)

    Já são vários meses - mais de um ano - que um dos assuntos do tempo aqui em Santa Catarina é a estiagem/seca. Apesar de parte do inverno ter ocorrido uma melhora nos volumes de chuva, a primavera trouxe novamente esse problema, especialmente no Oeste e Meio-Oeste.

    > Estiagem em Santa Catarina se iguala a pior da história

    Acontece que essa redução da chuva não é só em Santa Catarina. Tanto o Sul do Brasil quanto boa parte da América do Sul vem enfrentando esse problema. É importante destacar que estamos tendo chuva, alguns meses mais em algumas regões, outros em outras áreas, mas os volumes que ocorreram no geral trouxeram déficit.

    Diante disso, nos últimos dias a Nasa divulgou que esse problema vem ocorrendo desde 2018. Segundo eles, na América do Sul esta é a segunda seca mais forte desde 2002. Só perdendo para uma ocorrida em 2015/2016 entre o Leste do Brasil e a Venezuela. Eles chegaram a esta conclusão levando em consideração tanto a extensão territorial quanto duração e volume de chuva.

    > Araras, canários, curiós e outras aves são salvos de cativeiro na Grande Florianópolis; veja vídeo

    ÁGUA NO SOLO

    Uma das formas de perceber os impactos e a intensidade da seca é através da quantidad de água subterrânea próxima da superfície. O mapa acima mostra bem esse problema. Em vermelho as áreas com lencól freático baixo e as azuis, alto. Vejam a grande extensão do problema na América do Sul. A Nasa saliente que as áreas em tons de vermelho forte, como no Oeste de SC, essa condição só ocorre de 50 em 50 anos. 

    Porcentagem de água no sol em Outubro de 2020
    Porcentagem de água no sol em Outubro de 2020
    (Foto: )

    CONSEQUÊNCIAS

    Elas são as mais variadas. Vão desde o aumento de incêndios florestais, especialmente gerado por ações humanas, até quebra na safra de milho e no plantio da soja. Sem falar no transporte de navios em vários rios como o Paraguai que na região de Assunção chegou em outubro a ter o seu nível mais baixo em meio século.

    > Cidades de SC adotam rodízio de abastecimento de água por conta da estiagem

    MOTIVOS

    A redução ou elevação dos volumes de chuva em uma determinada região depende muito das temperaturas dos oceanos. Cada região, uma parte dos oceanos. Na região da Amazônia a elevação da temperatura da água do Atlântico tropical ajudou a trazer a redução da chuva. Já para nós mais ao Sul da América do Sul, o resfriamento das águas do Pacífico Equatorial ajudou a trazer o problema. 

    > La Niña influencia o clima em SC; estiagem já preocupa

    O QUE ESPERAR

    Como o resfriamento do Pacífico Equatorial - um dos critérios para o La Niña - deverá seguir, a expectativa que até o verão de 2021 ainda tenhamos problemas na quantidade de chuva. Devendo no geral ficar abaixo do padrão dos próximos meses.

    > Estiagem: dois rios de Chapecó passam por obras para aumentar captação

    > Auxílio emergencial: veja o calendário de pagamentos de novembro e dezembro para o Bolsa Família

    > Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas