São várias reuniões ao longo desta quinta-feira (27). O governador Carlos Moisés, o secretário da Saúde André Motta e o superintendente do Ministério da Saúde em SC, Rogério Ribeiro, estão desde quarta em Brasília buscando mais apoio do governo federal para o combate à pandemia. A agenda inclui um encontro com o ministro Marcelo Queiroga. 

Continua depois da publicidade

> Veja como receber as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Entre as principais necessidades, a garantia de insumos, mais medicamentos e verba para o custeio. O Estado tenta aumentar o quanto antes a oferta de leitos de UTI nos nossos hospitais.

As busca por vacinas, claro, também está na pauta. Na terça, a coluna informou sobre o pedido de Santa Catarina para que o Ministério da Saúde contingencie 5% da doses, como já fez com outros Estados em momentos diferentes, entendendo que o Sul do país certamente será mais impactado pela covid com a chegada dos dias mais frios.

> Total de casos ativos de covid-19 cresce em 56% das cidades de SC

Continua depois da publicidade

Também na terça, o secretário André Motta voltou a falar com extrema preocupação sobre a possibilidade de uma terceira onda em SC. A entrevista foi concedida ao CBN Hub.

> “Talvez o pior momento ainda esteja por vir”, diz secretário sobre a pandemia de Covid-19 em SC

A tentativa, até com urgência, de ampliar a estrutura hospitalar, a comunicação com as pessoas e reforçar a fiscalização em todas as regiões, faz parte da estratégia de governo com ações na Saúde sem mais impactos para os setores. Novas restrições, tampouco liberações, não estão na mesa de discussão. Pelo menos não por enquanto.

Leia também

> SC acelera ações na Saúde em alerta para 3ª onda de Covid-19

> SC está em alerta para nova onda na pandemia de Covid-19, diz secretário

> SC tem novo decreto de combate à pandemia até 31 de maio

> São José apresenta os primeiros resultados da força-tarefa na região da cracolândia

Destaques do NSC Total