nsc
    nsc

    Explicação

    Motorista em SC teme pegar Covid-19 em bafômetro de blitz da lei seca

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    13/01/2021 - 05h00 - Atualizada em: 13/01/2021 - 08h51
    Blitz da lei seca
    Blitz da lei seca (Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS)

    Uma motorista de Florianópolis foi parada numa blitz da lei seca no último final de semana na praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis, e ficou com receio de pegar Covid-19 durante a abordagem policial. Ela conversou com a coluna, mas prefere ter seu nome preservado. A preocupação da motorista foi com o fato de que, segundo ela, o bafômetro não estava sendo higienizado.

    > Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    “Passei por uma blitz da lei seca em Jurerê onde todos os carros foram colocados numa fila única e todos os motoristas, sem exceção, eram instruídos a soprar no mesmo equipamento que, apesar de diferente do tradicional que se via anteriormente pelo noticiário , pois nunca fui parada numa blitz, era muito próximo a nossa boca. Esse material não estava sendo nitidamente nem trocado nem higienizado a cada pessoa e todos que estavam na fila sopraram no mesmo equipamento. Não tenho dúvida alguma sobre o valor destas blitze, mas meu questionamento é que, nesta época de pandemia, e com a preocupação extrema que eu estou tendo com a minha proteção e de quem me cerca, se isso não passa a ser um caso de vigilância sanitária. Fiquei extremamente desconfortável e preocupada em relação a um possível contágio”, disse a motorista que, aliás, seguiu adiante pela via pois o etilômetro não apontou ingestão de bebida alcoólica.

    O comandante-geral da Polícia Militar Rodoviária de Santa Catarina, coronel Evaldo Hoffmann, explica que são dois equipamentos utilizados. O que a motorista citou é o etilômetro passivo. Basta colocar o equipamento dentro do carro e, normalmente, o policial pede para a pessoa falar o nome próximo ao dispositivo. Este equipamento serve de triagem para o uso do bafômetro, de fato, onde o sopro ocorre no bocal que precisa ser trocado a cada vez que utilizado.

    Quanto ao etilômetro passivo, Hoffmann explica que nas blitze são utilizados dois ou três destes equipamentos e que o protocolo é que após a abordagem em cada veículo, o dispositivo precisa ser higienizado. Enquanto um equipamento é limpo, o outro é operado, e assim em sequência.

    O comandante informou que iria falar com os responsáveis pela operação do final de semana para buscar mais informações.

    Leia também: 

    Anvisa decide no domingo sobre aval para vacinas do Butantan e Fiocruz contra Covid-19

    Hospital privado de Florianópolis já sente primeiro impacto das festas com coronavírus

    Médico descontextualiza manual da Pfizer para sugerir alterações genéticas pela vacina

    Casos de Covid-19 em turistas crescem 142% em SC após festas de fim de ano

    Justiça manda interditar Shed e La Belle em Balneário Camboriú e determina multa de R$ 400 mil

    ‘Vamos ser vacinados e vamos continuar tendo que usar máscaras’, diz pesquisadora da Fiocruz

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas