A inflação é o principal motivo, mas a conta salgada do subsídio, acima do esperado pela prefeitura de Joinville, também motivou o reajuste da passagem do ônibus, depois de quase três anos de congelamento. O município esperava gastar entre R$ 15 milhões e R$ 21 milhões com os repasses às empresas, mas já transferiu quase R$ 26 milhões e deverá fechar o ano com aporte de R$ 29 milhões. O gasto com subsídio ficou acima do estimado porque a recuperação na movimentação de passageiros ficou abaixo do esperado. O aumento da tarifa foi de 10,5%, o que eleva a modalidade antecipada (comprada fora dos ônibus, usada por mais de 95% dos usuários) para R$ 5,25 a partir de janeiro.

Continua depois da publicidade

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O último reajuste da tarifa antecipada foi fevereiro de 2020. No final daquele ano, o então prefeito Udo Döhler recebeu o pedido de reajuste, feito pelas empresas, mas deixou a decisão para o futuro prefeito. O valor foi mantido em R$ 4,75 no início do governo Adriano Silva. As empresas não chegaram a reclamar, afinal, ainda havia repasses da prefeitura por causa das restrições da pandemia. A situação mudaria em 2022.

O governo Adriano Silva manteve o valor da tarifa antecipada e elevou somente na passagem embarcada, comprada dentro do ônibus. As empresas foram à Justiça no final de março alegando déficit na tarifa, o que estaria desrespeitando decisão judicial anterior (em ação de 2015), que determinou compensação em caso de prejuízo no sistema. Para a prefeitura, restaram dois caminhos: aumentar a tarifa ou subsidiar a passagem. A segunda opção foi a preferida.

A alegação foi de que se houvesse um reajuste, o número de passageiros iria cair e o déficit do transporte coletivo seria ainda maior. Havia ainda a expectativa de recuperação no número de passageiros. Assim, o governo Adriano Silva assumiu a conta do transporte coletivo. No entanto, a despesa esperada de até R$ 21 milhões foi superada com folga e a decisão agora foi pelo reajuste, aliada à inflação dos últimos meses – a prefeitura alegou que o aumento foi a metade da inflação dos últimos três anos.

Continua depois da publicidade

Ampliação de museu em Joinville terá R$ 3,3 milhões e será entregue em 2024

Antigo cais de Joinville voltará como “parque flutuante”

Após polêmica, Saúde de Joinville tem aval para contratar telemedicina

Restauração do Moinho Joinville começa pelas fachadas e cobertura

Futura duplicação em Joinville vai custar R$ 86,5 milhões

União autoriza construção de ponte em Joinville, com prazo

Destaques do NSC Total