Em raro caso em Joinville no qual o partido do prefeito, mesmo contando com maioria entre os vereadores, não terá a presidência da Câmara em nenhum período dos quatro anos de mandato, o comando do Legislativo deverá ficar com Diego Machado (PSDB) pelos próximos dois anos, em eleição da mesa diretora a ser realizada nesta quarta-feira. Ainda conforme o acordo entre a maioria dos vereadores, Henrique Deckmann (MDB) será o vice-presidente e Luiz Carlos Sales (PTB) será escolhido como primeiro secretário.

Continua depois da publicidade

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

O partido de Adriano Silva, o Novo, não estará, portanto, na mesa diretora nos próximos dois anos. O que não é problema nenhum para o prefeito: a base governista vai se manter ampla, situação que deve ser prolongar, ao menos, até o início do segundo semestre de 2024, quando começaram as convenções para as eleições municipais.

Nos últimos 40 anos, o partido do prefeito sempre comandou a Câmara pelo menos um período, desde que o administrador tivesse maioria – o PT não chegou a ter a presidência da Câmara no governo Carlito (2009-2012), mas o prefeito não tinha maioria (a frágil maioria conquistada na segunda metade do mandato foi justamente porque o PT ajudou a eleger Odir Nunes).

Desde a primeira eleição municipal após a volta do pluripartidarismo, realizada em 1982, o partido do prefeito de Joinville dirigiu Câmara por pelo menos um período do mandato, desde que conte com a maioria. Foi assim com Mauro Moura (PMDB), presidente do Legislativo em dois momentos do governo Wittich Freitag (1982-1988). Durival Lopes Pereira (PDS) dirigiu a Câmara na segunda metade do governo Luiz Gomes (1989-1992).

Continua depois da publicidade

A situação se repetiu nos dois últimos anos do segundo mandato de Freitag (1993-1996), com Nestor Westrupp (PFL). Na segunda e terceira administrações de Luiz Henrique, entre 1997 e 2002, somente em 1999, com Hercílio Rohrbacher (então no PFL), a presidência da Câmara não esteve como o PMDB (os demais presidentes foram João Pessoa Machado, Arinor Vogelsanger e João Luiz Sdrigotti, em acordos que dividiram mandatos).

O PT de Carlito não elegeu nenhum petista como presidente da Câmara entre 2009 e 2012, mas a base governista não era maioria. O governo Udo Döhler manteve o PMDB na presidência da Câmara por oito anos, com João Carlos Gonçalves, Fernando Krelling, Rodrigo Fachini e Claudio Aragão. Com Adriano Silva, o Novo até ensaiou candidatura em 2021, mas acabou compondo com os demais partidos e o eleito foi Maurício Peixer (PL), atual presidente. A estratégia agora se repete – não é permitida a reeleição para a presidência da Câmara na mesma legislatura -, desta vez com Diego Machado.

Com duas escolhas, Joinville “recupera” espaços no governo do Estado

Censo 2022 entra na reta final e projeção da população de Joinville tem “mudança”

Comprado há dez anos por R$ 6,5 mi, prédio em Joinville só deve ser utilizado em 2024

Duplicação da BR-280 tem revisão do projeto no lote entre São Francisco e Araquari

Proposta sobre vagas de garagem em prédios em Joinville tem mudança

Ipreville tenta, novamente, vender dois imóveis em Joinville

Após recomendação do MP, Joinville quer mudar lei sobre fogos de artifício com barulho

Destaques do NSC Total