nsc
    nsc

    MEDIDAS MAIS DURAS

    Em ação judicial, Defensoria Pública tenta lockdown em Joinville por causa do coronavírus

    Compartilhe

    Saavedra
    Por Saavedra
    27/07/2020 - 19h19 - Atualizada em: 28/07/2020 - 11h07
    Maior ocupação de leitos de UTI em Joinville é uma das situações citadas pela Defensoria na ação
    Maior ocupação de leitos de UTI em Joinville é uma das situações citadas pela Defensoria na ação (Foto: Divulgação)

    Em ação apresentada no início da noite desta segunda-feira, a Defensoria Pública de Santa Catarina busca liminar para obrigar a prefeitura de Joinville a decretar lockdown, ou seja, apenas atividades essenciais seriam mantidas. A medida, com sugestão de ser tomada por 14 dias (caso o pedido seja aceito pelo Judiciário), seria uma forma de reduzir a circulação de pessoas e, com isso, a possibilidade de contágio com o coronavírus. O pedido de liminar está em análise pela Justiça.

    > Quais as medidas tomadas em Joinville nesta segunda

    > Lockdown ainda fora dos planos em Joinville: há medidas intermediárias, diz Udo

    A ação, apresentada na 1ª Vara da Fazenda Pública, cita o agravamento de uma série de indicadores, como óbitos, casos e demanda hospitalar, como motivos para medidas mais duras. Nesta segunda-feira, a prefeitura de Joinville publicou novo decreto com medidas restritivas, a maior parte limitando a ocupação em espaços comerciais.

    A Defensoria Pública entrou com a ação após a prefeitura negar o atendimento de recomendação favorável ao lockdown, feita há duas semanas. O município alegou que ainda havia outras medidas e providências a serem tomadas antes. Além disso, o agravamento nas avaliações de risco não implicaria em lockdown neste momento.

    > Lotofácil terá mudanças a partir de agosto

    Na ação, a Defensoria cita a queda no número de testes por causa dos estoques baixos. “Não se pode alegar que Joinville tem apresentado ‘redução no número de novos casos confirmados de Covid-19 e de notificações’ no momento em que justamente reduziu o número de testes na população”.

    > TCE isenta Moisés do reajuste dos procuradores que provocou pedido de impeachment

    Sobre o aumento na capacidade de atendimento nas UTIs, com mais leitos, a alegação é ampliação não basta para frear o agravamento da pandemia. Também há questionamento à matriz usada pela prefeitura para avaliar o risco da pandemia, com nota 3,8 em escala até 5. “O cenário apresentado contrasta com o resultado do índice utilizado pelo município de Joinville para não se decretar o fechamento das atividades não essenciais, visto que o status local é gravíssimo, a taxa de ocupação continua em níveis alarmantes”, alegou a Defensoria na ação.

    > Novo decreto sobre coronavírus em Joinville: o que muda nas punições; multa pode chegar a R$ 6 mil

    > Secretário de Saúde de Joinville faz apelo: sem respeito às medidas, “não há sistema de saúde que aguente”

    > Frente fria traz chuva; na sequência ar frio derrubará as temperaturas em SC

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas