nsc
dc

Pandemia

Anticorpos da Covid: quanto tempo dura e o que já se sabe sobre

Quanto tempo dura a imunidade após ter coronavírus? Veja o que já se sabe

21/05/2021 - 04h01 - Atualizada em: 24/05/2021 - 13h46

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Existem duas forma de uma pessoa ficar imunizada contra a Covid-19: natural e induzida por vacina.
Existem duas forma de uma pessoa ficar imunizada contra a Covid-19: natural e induzida por vacina.
(Foto: )

Os anticorpos para a Covid-19 são os principais responsáveis para o corpo se defender contra a doença. Se você deseja saber sobre quanto tempo dura a imunidade da Covid-19 e também entender como os anticorpos agem e por quanto tempo são eficazes é só continuar lendo.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O que são anticorpos?

Quando seu corpo detecta um invasor estranho, tal como bactérias ou vírus, ele começa a limitar as infecções, bombeando anticorpos. Na verdade, eles são proteínas em forma de Y, produzidas por seus glóbulos brancos. A sua função é lutar contra os patógenos prejudiciais.

E isso inclui o SARS-CoV-2, o novo coronavírus que causa o COVID-19. Uma vez infectadas, quase todas as pessoas com um sistema imunológico funcionando normalmente, desenvolverão anticorpos IgM e IgG. Esses anticorpos podem ser detectados em um teste sorológico (mais comumente conhecido como teste de anticorpos).

Se a pessoas se recupera da Covid-19, recebeu a vacina ou, nenhuma das duas coisas, entender como funciona a imunidade e quanto tempo ela dura, pode ajudar. Além disso, você saberá como interagir com segurança com outras pessoas durante a pandemia.

Em primeiro lugar, ajuda muito saber o que significa imunidade. Existem duas formas de uma pessoa ficar imunizada contra algum vírus: natural e induzida por vacina.

> O que são as variantes do coronavírus e como elas impactam Santa Catarina

Como funciona a imunidade natural após ser infectado pela Covid-19

Depois que uma pessoa adquire um vírus, o sistema imunológico retém uma memória dele.

Alguns institutos explicam que as células imunológicas e proteínas que circulam no corpo podem reconhecer e matar o patógeno se for encontrado novamente. Desta forma, protegem contra doenças e reduzem a gravidade da doença.

> Por dentro de um laboratório de produção de vacina

Os componentes de proteção de imunidade incluem:

Anticorpos

Proteínas que circulam no sangue e reconhecem substâncias estranhas como vírus, e as neutralizam.

Células T 

Auxiliares que ajudam a reconhecer os patógenos. Além disso, as células T são chamadas de "assassinas", pois matam os patógenos.

> Recorde de frio em SC: confira as menores temperaturas registradas na história

Células B 

Responsáveis por produzir novos anticorpos quando o corpo precisa deles.

Descobriu-se que as pessoas que se recuperam do COVID-19 têm todos os quatro desses componentes. No entanto, os detalhes sobre o que isso significa para a resposta imunológica e quanto tempo dura a imunidade não estão ainda claros.

> Em site especial, saiba mais informações sobre a pandemia do coronavírus

De acordo com alguns pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, não sabe-se ao certo se as pessoas são imunes à reinfecção. Simplesmente porque ainda não foram feitos estudos suficientes.

Anticorpos são proteínas que circulam no sangue e reconhecem substâncias estranhas como vírus, e as neutralizam.
Anticorpos são proteínas que circulam no sangue e reconhecem substâncias estranhas como vírus, e as neutralizam.
(Foto: )

Isso exigiria rastrear a reexposição de um número significativo de pessoas e determinar se elas ficarão doentes. O conhecimento nesta área continua a crescer, à medida que novos estudos são realizados.

Mais recentemente, um estudo publicado na revista Science descobriu que a imunidade pode durar até 8 meses.

De acordo com os professores que lideraram o estudo, sua equipe mediu todos os quatro componentes da memória imunológica em quase 200 pessoas que foram expostas ao SARS-CoV-2, que causa COVID-19 e recuperado.

Assim, os pesquisadores descobriram que os quatro fatores persistiram por pelo menos 8 meses após a infecção pelo vírus.

> As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Isso é importante porque mostra que o corpo pode “lembrar” do SARS-CoV-2. Se encontrar o vírus novamente, as células B de memória podem rapidamente se equipar e produzir anticorpos para combatê-lo.

Portanto, aqueles que se recuperaram do COVID-19 podem ter imunidade por meses ou talvez anos.

Antes deste último estudo, todo o trabalho havia sido feito por outras equipes de pesquisa e mostravam que os anticorpos são mantidos por pelo menos 3 meses.

Além disso, o estudo também sugeriu que a imunidade pode durar muito mais tempo.

> Bebê nasce com anticorpos contra a Covid em Santa Catarina

Como a imunidade induzida pela vacina depois de receber imunização trabalha

Atualmente, as vacinas autorizadas para uso confiável ajudam o corpo a desenvolver imunidade ao vírus que causa o Covid-19 sem que você precise se contaminar.

Em geral, as vacinas que requerem duas injeções, obtém proteção quase total.

Depois de ter a proteção total da vacina, seu corpo fica com um suprimento de células T e B que se lembrarão de como combater o vírus no futuro, assim como fazem com a imunidade natural.

No entanto, geralmente leva algumas semanas para o corpo produzir células T e células B após a vacinação. Durante esse tempo, é possível adquirir o vírus que causa o COVID-19 até que seu corpo possa fornecer proteção.

> Vacinação da Covid em SC: locais, fases de aplicação, idades e tudo sobre

O que significa um teste de anticorpos positivo

Os centros de controle e prevenção de doenças afirmam que quase todos os indivíduos imunocompetentes desenvolverão uma resposta imunológica após a infecção por SARS-CoV-2. Além disso, em algumas pessoas, os anticorpos podem ser detectados na primeira semana do início da doença .

No entanto, existem diferentes anticorpos e cada um deles detecta diferentes componentes de proteção de imunidade mencionados acima.

Por exemplo, alguns testes procuram anticorpos que reconhecem a proteína nucleocapsídeo, que é encontrada no coronavírus, enquanto outros procuram anticorpos que protegem contra a proteína spike do coronavírus. Esses anticorpos são acionados pela vacina Moderna.

> Como será a ordem de vacinação para gestantes e pessoas com comorbidades em SC

Embora um teste de anticorpos positivo mostre que você tinha o vírus que causa COVID-19, ainda não dá uma compreensão clara de sua imunidade ao vírus.

Assim, para algumas infecções, os anticorpos podem proteger contra a reinfecção.

Para outros, eles podem não prevenir a reinfecção, mas os sintomas podem ser mais leves.

Em ainda outros casos, os anticorpos podem não fornecer proteção alguma.

Além disso, alguns resultados de teste podem ser “falsos positivos”. Isso ocorre quando uma pessoa foi exposta a um vírus semelhante detectado pelo teste, mas esses anticorpos não protegem o novo coronavírus.

Quanto tempo pode durar a imunidade ao coronavírus?

Anos, talvez até décadas. Sim, de acordo com novos estudos, a resposta mais promissora para uma pergunta que obscurece os planos de vacinação generalizada é essa.

Uma taxa lenta de declínio no curto prazo sugere, felizmente, que essas células podem persistir no corpo por muito, muito tempo ainda.

Avaliou-se as evidências de infecção por Covid-19 entre pessoas com resultados de teste de anticorpos positivos versus negativos.

Notou-se que, embora a redução do risco não tenha sido observada nos primeiros 30 dias, após um teste inicial de anticorpos, ela se tornou pronunciada e progressivamente fortalecida ao longo do período de observação de 90 dias e até além.

O que saber sobre a possibilidade de reinfecção

Casos de reinfecção com o novo coronavírus foram relatados, mas permanecem raros.

Embora a infecção com o vírus e a vacinação possam fornecer alguma imunidade, ainda não está totalmente esclarecida quanto à reinfecção.

Estudos estão em andamento para entender o seguinte:

- Uma probabilidade de reinfecção

- Com que frequência ocorre a reinfecção?

- Tão logo após a primeira infecção pode ocorrer a reinfecção?

- Quão graves são os casos de reinfecção?

- Quem pode estar em maior risco de reinfecção?

- O que a reinfecção significa para a imunidade de uma pessoa?

> Não conseguiremos vacinar todos os brasileiros em 2021, diz ex-coordenadora do PNI

- Se uma pessoa é capaz de transmitir COVID-19 a outras pessoas quando reinfectada?

Essa quantidade de memória provavelmente impediria a grande maioria das pessoas de contrair doenças hospitalizadas, doenças graves, por muitos anos.

As descobertas provavelmente serão um alívio para os especialistas preocupados com o fato de que a imunidade ao vírus pode ter vida curta e que as vacinas podem ser administradas repetidamente para manter a pandemia sob controle.

Além disso, outras descobertas estão indo na direção que os recuperados de Covid-19, ainda carregam certas células imunológicas importantes 17 anos após a recuperação.

As descobertas são consistentes com evidências encorajadoras emergentes de outros laboratórios. Assim, pesquisadores da Universidade de Washington, liderados pela equipe de imunologista, haviam mostrado que certas células de "memória" produzidas após a infecção pelo coronavírus, persistem por pelo menos três meses no corpo.

> As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Assim, esses estudos parecem estar todos pintando o mesmo quadro, que é que, depois de passar as primeiras semanas críticas, o resto da resposta parece bastante convencional.

Um pequeno número de pessoas infectadas nesses novos estudos não tinha imunidade duradoura após a recuperação. Talvez por causa das diferenças nas quantidades de coronavírus aos quais foram expostas. Mas as vacinas podem superar essa variabilidade individual.

> Veja mapas e dados da vacinação por cidade

Embora os anticorpos no sangue sejam necessários para bloquear o vírus e prevenir uma segunda infecção - uma condição conhecida como imunidade esterilizante - as células imunológicas que “se lembram” do vírus com mais frequência são responsáveis ​​pela prevenção de doenças graves.

Mais frequentemente, as pessoas são infectadas uma segunda vez com um patógeno específico, e o sistema imunológico reconhece o invasor e rapidamente extingue a infecção. 

Na verdade, o coronavírus em particular, é lento para causar danos, dando ao sistema imunológico bastante tempo para entrar em ação.

> Mitos e verdades sobre os efeitos colaterais da vacina contra Covid-19

Pode ser interrompido rápido o suficiente para que não apenas você não sinta nenhum sintoma, mas também não seja infectado.

Novas variantes da Covid-19

Colunistas