nsc
dc

Investigação

Assalto em Criciúma: polícia investiga se mulher presa em SP tem ligação com o crime em SC

Com a mulher presa, a polícia apreendeu munições de fuzil, detonadores de explosivos e droga

02/12/2020 - 15h51 - Atualizada em: 02/12/2020 - 17h43

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Lucas
Por Lucas Paraizo
Prisão ocorreu na zona sul da capital paulista
Prisão ocorreu na zona sul da capital paulista
(Foto: )

A Polícia Civil de Santa Catarina vai investigar se uma mulher presa em São Paulo na manhã desta quarta-feira (2), com munições de fuzil e detonadores de explosivos, tem ligação com o assalto a banco que ocorreu em Criciúma, no Sul de SC, na madrugada de terça-feira (1º). A informação foi confirmada pelo diretor da Delegacia de Roubos e Antissequestro da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC) de SC, delegado Luis Felipe Fuentes.

> Assalto em Criciúma: polícia descobre pistas de homem que assaltou banco

> Quadrilha ficou em Criciúma por pelo menos três meses para planejar assalto a banco, indica investigação

Segundo Fuentes, a informação sobre a prisão da mulher e a apreensão dos materiais chegou à Deic, mas ainda não é possível afirmar que ela é suspeita pelo envolvimento.

- Será, sim, averiguada a situação, mas não podemos confirmar o envolvimento - resumiu o delegado. 

A reportagem do Diário Catarinense teve acesso ao boletim de ocorrência feito em São Paulo. 

Os registros informam que a mulher foi presa em flagrante depois que a polícia paulistana recebeu denúncias sobre o suposto envolvimento de um morador da zona sul da capital paulista no "grande roubo ocorrido na data de ontem (terça-feira) no município de Criciúma, onde houve a utilização de explosivos e armas grosso calibre". 

> Assalto em Criciúma: galpão usado por quadrilha é encontrado em Içara; polícia investiga o local

Munições e espoletas para acionar explosivos foram apreendidos no endereçõ
Munições e espoletas para acionar explosivos foram apreendidos no endereço
(Foto: )

Com as informações recebidas, agentes do 25º Distrito Policial foram até uma casa no bairro Jardim Reimberg onde encontraram os cartuchos de fuzil calibre 7,62 mm - cartucho também utilizado no assalto - carregadores de pistola calibre 9mm, cocaína, 10 telefones celulares, um porta fuzil e uma caixa com espoletas para acionar os explosivos. 

> Assalto a banco em Criciúma: saiba o que é verdade e mentira sobre o crime

O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) chegou a ser acionado para recolher os detonadores, que serão periciados. A mulher foi presa em flagrante no bairro Jardim Reimberg, em São Paulo, e será investigada. Todos os objetos foram apreendidos.

Polícia encontra galpão usado por assaltantes

Nesta quarta-feira (2) a Polícia Militar também encontrou o galpão utilizado pelos assaltantes na madrugada do crime. A polícia ainda investiga qual foi a utilidade do espaço na organização do assalto. 

O andamento das investigações do crime também aponta que os bandidos teriam ficado ao menos três meses na cidade organizando a ação que contou com cerca de 30 homens encapuzados e, pelo menos, 10 veículos de alto padrão - nove deles blindado.  

A ação teve início no fim da noite de segunda (30), por volta das 23h50min, e se estendeu ao longo da madrugada de terça. Um policial militar foi ferido em confronto com a quadrilha e segue hospitalizado em estado grave de saúde. 

Leia também

Assalto a banco em Criciúma é considerado o maior da história de SC

Criciúma e Pará: cinco semelhanças entre os dois assaltos a banco

> Rádio de Criciúma interrompe transmissão após ameaças; veja vídeo

Colunistas