nsc
    dc

    EM DOIS DIAS

    Criciúma e Pará: cinco semelhanças entre os dois assaltos a banco

    Atuação e organização do crime nas duas localidades marcam a forma de planejamento do "novo cangaço"

    02/12/2020 - 12h48

    Compartilhe

    Maria Eduarda
    Por Maria Eduarda Dalponte
    Nos dois assaltos reféns foram usados como escudo humano
    Nos dois assaltos reféns foram usados como escudo humano
    (Foto: )

    Um dia após a noite de terror passada pela moradores de Criciúma, a cidade de Cametá, no Pará, vivenciou cenas parecidas. A forma como os dois assaltos se desenrolaram é semelhante e mostra o jeito de agir do "novo cangaço", termo associado à modalidade que inclui assaltos simultâneos e ataques a quartéis realizados por pessoas organizadas e fortemente armadas.

    Esses casos tem grandes proporções, planejamento e ações orquestradas. Além disso, o ataque acontece em pequenas e médias cidades, que não têm poder e tempo de reação para competir com os fortes armamentos dos criminosos. Os assaltantes invadem o município, atacam e fogem em seguida.

    Assalto a banco em Criciúma: saiba o que é verdade e mentira sobre o crime

    Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

    Os dois assaltos, que aconteceram em um intervalo de dois dias, trazem muitas semelhanças na forma de agir, confira:

    Moradores da cidade como escudo humano 

    Nas duas situações, os assaltantes utilizaram reféns para dificultar a ação da polícia. Em Criciúma, seis funcionários da prefeitura que faziam pinturas das faixas foram obrigados a se sentarem no meio da rua para impedir a passagem de carros. Três deles ainda tiveram que carregar os malotes de dinheiro do banco até os carros de fuga. Além deles, outras pessoas foram abordadas durante a noite e veículos foram usados como barreira. Ninguém ficou ferido.

    Polícia descobre pistas de homem que assaltou banco em Criciúma

    Em Cametá, no Pará, cerca de quarenta pessoas foram feitas de reféns. Elas foram encontradas espalhadas pela cidade e foram usadas como escudo humano. Segundo informações do G1, um deles morreu e outro foi atingido na perna, mas não corre risco de morte.

    Ataques à sede da polícia

    A ação dos criminosos em Criciúma iniciou quando cerca de 30 criminosos armados, em 10 veículos, atearam fogo e lançaram um caminhão em frente ao 9º Batalhão da Polícia Militar da cidade. Eles efetuaram vários disparos e atrasaram a saída de policiais.

    No Pará, a quadrilha atacou um quartel da Polícia Militar (PM), localizado a menos de um quarteirão da agência bancária assaltada. Os suspeitos tinham o objetivo de impedir a saída dos policiais e dificultar as ações com uso de reféns como escudo.

    "Foi como as maiores ações que acontecem no país", diz delegado sobre assalto a banco em SC

    Armamento pesado 

    Nos dois casos a polícia trocou tiros com os assaltantes e identificou armamento de calibre grosso e explosivos. Em Criciúma, foram utilizados fuzis de assalto de calibres 5.56, 7.62 e .50.

    Cidade média e ataque rápido

    Cametá tem cerca de 136 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e fica 236 km de Belém do Pará. Criciúma tem cerca de 217 mil habitantes, segundo o IBGE e se localiza 200 km ao sul da capital de Santa Catarina, Florianópolis.

    Confira a linha do tempo do assalto a banco em Criciúma

    Apesar de serem cidades grandes comparadas ao seu estado, não são o polo. Dessa forma, fica dificíl a reação da polícia para competir com o armamento pesado dos assaltantes. Ambos os ataques duraram menos de duas horas, para não dar tempo de a polícia se articular e agir com reforços.

    Fuga

    A desconfiança é de que os bandidados não são da cidade, apenas atacam e vão embora. A suspeita é de que os crimonosos estudam antes a rota de fuga para despitar os policiais. No Pará, os bandidos deixaram a cidade em veículos e seguiram pelo rio. Como a cidade fica às margens do Rio Tocantins, o grupo fugiu de carros e barcos.

    Polícia prende pessoas que recolheram dinheiro do assalto nas ruas de Criciúma

    Em Criciúma, os criminosos deixaram a cidade de carro em direção ao sul. Os policiais encontraram 10 veículos de luxo utilizados pelos bandidos na fuga em um milharal próximo a um rio em uma região chamada de Picadão, em Nova Veneza, a 18 quilômetros de Criciúma. A partir do abandono dos carros, a suspeita é de que os bandidos tenham utilizado outros veículos para continuarem a fuga.

    *Com supervisão de Raquel Vieira

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas