A Barbárie de Queimadas é o tema do segundo episódio do Linha Direta, da TV Globo. O crime de estupro coletivo e o assassinato de duas mulheres aconteceu na cidade de Queimadas, no Agreste da Paraíba, por isso o nome do caso, e foi um dos mais chocantes da história brasileira. Mais de uma década após, o homem considerado mentor da ação, Eduardo dos Santos Pereira, está foragido mesmo depois de ser condenado a mais de 100 anos de prisão.

Continua depois da publicidade

Mentor da “Barbárie de Queimadas” é preso três anos após fuga de presídio

A ação foi em 12 de fevereiro de 2012 quando uma “falsa festa” foi organizada já com o objetivo de violentar as mulheres convidadas e que depois foram assassinadas: Michele Domingos, na época com 27 anos e Izabella Pajuçara, de 29 anos. A festa seria para celebrar o aniversário de um dos três irmãos e os dois mais velhos, Eduardo dos Santos e Luciano dos Santos, foram os mentores da barbárie.

Pelo que as investigações apontam, Michele e Izabella estavam no local e a irmã mais nova de Izabella também. Durante a festa, os homens chegaram a simular um falso assalto para que as convidadas não desconfiassem de que o estupro coletivo era combinado. Foi o relato da irmã de Izabella – que também foi violentada – que levantou suspeitas sobre a premeditação do crime.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Continua depois da publicidade

Estupro coletivo era “presente de aniversário”

De acordo com as investigações do caso reveladas pelo g1, a ação teria sido premeditada como uma forma de “presentear” o irmão mais novo e o estupro das mulheres na festa seria justamente o “presente de aniversário”.

O que deixa o crime ainda mais brutal é que todos os envolvidos, de alguma forma, eram conhecidos e inclusive uma da vítimas era ex-cunhada de um dos mentores.

Mentor da Barbárie de Queimadas está foragido (Foto: Crédito: Acervo / Jornal da Paraíba)

Reconhecimento mudou rumo da Barbárie de Queimadas

O objetivo do grupo era “apenas” forçar as relações sexuais das mulheres envolvidas no caso. Porém, tudo mudou quando Izabella reconheceu o ex-cunhado como um dos estupradores. Ela chegou a pedir por socorro, de acordo com o g1, mas esse ato foi o que mudou o rumo da Barbárie de Queimadas e fez com que as duas mulheres fossem assassinadas.

Com o reconhecimento, os agressores decidiram assassinar as duas mulheres. Michele foi encontrada morta em frente à igreja do Centro de Queimadas com quatro tiros. Dois dos ferimentos foram na cabeça. Izabella foi achada amordaçada com uma meia dentro da boca na estrada que liga Queimadas a Fagundes, dentro do carro usado na fuga dos criminosos. Ela foi atingida por três tiros, conforme também informações do portal g1.

Continua depois da publicidade

Linha Direta: horário, apresentador e tudo sobre volta em 2023

Como foi o estupro coletivo da Barbárie de Queimadas

  • No dia 11 de fevereiro de 2012, a festa de aniversário estava marcada. Eduardo e Luciano convidaram as jovens e após o convite teriam comprado cordas e lacres “enforca-gato” para cometer os crimes.
  • Após a meia-noite, já no dia 12 de fevereiro, homens teriam invadido a festa com máscaras de palhaço, bruxa e de outros personagens. Os homens derrubaram a energia para impedir a identificação. Nesse momento, as mulheres foram amarradas e amordaçadas para que fossem estupradas.
  • Os donos da cada em que o aniversário foi realizado foram trancados no banheiro. Homens e mulheres foram divididos em dois quartos, assim o estupro coletivo poderia ser cometido sem a intervenção dos convidados.
  • A ideia inicial era de que os agressores deixariam as vítimas no local após o crime, levando apenas dinheiro para comprovar o suposto assalto. Mas, a reviravolta aconteceu após o reconhecimento de um dos agressores por Izabella.
  • Ao serem reconhecidos, os agressores saíram do local com Michele e Izabella. O assassinato das jovens foi a tentativa dos irmãos de não serem reconhecidos. Mas a frieza com que receberam a notícia das mortes e o relato da irmã de Izabella levantaram suspeitas.
  • Ainda no dia 12 de fevereiro, Eduardo e Luciano foram presos durante o cortejo das vítimas para o cemitério.
  • No dia 13 de fevereiro, os policiais reveleram que os estupros seriam premeditados e que os irmãos haviam planejado tudo – desde a festa até o assassinato. A polícia ainda revelou neste dia que acreditava que todos os sete homens na festa iriam estuprar as convidadas. Mas, a identificação deles por Izabella teria parado a ação. Sêmen e resíduos de pele foram encontrados nas unhas das vítimas.
  • Sete homens, incluindo os irmãos, foram presos e três adolescentes, incluindo o aniversariante, foram apreendidos. A condenação veio em outubro de 2012 quando todos foram condenados por cárcere privado, formação de quadrilha e estupro.
  • Luciano foi condenado a 44 anos de prisão pelo estupro de quatro mulheres e participação em outro abuso. Os outros envolvidos tiveram penas diversas pelo estupro e participação de abuso.
  • Eduardo dos Santos, no entanto, foi à júri popular por ser considerado mentor da Barbárie de Queimadas. A pena estipulada foi de 108 anos e dois meses de prisão pelos dois assassinatos, formação de quadrilha, cárcere privado, corrupção de menores e porte ilegal de arma, além de cinco estupros e da lesão corporal de um dos menores envolvidos.
  • Em 17 de novembro de 2020, Eduardo dos Santos foge da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, localizada em João Pessoa. O mentor da Barbárie de Queimadas fugiu pela porta lateral da penitenciária.
  • Desde então, o mentor da Barbárie de Queimadas é considerado foragido. Foi solicitada a inclusão dele na lista da Interpol, mas até a publicação o nome não constava.

Relembre os episódios do Linha Direta em 2023

Leia também

Presídio ou penitenciária? Entenda a diferença

Conheça o maior presídio de segurança máxima do Brasil

Destaques do NSC Total