nsc
dc

Pandemia

Sem oxigênio, médicos em Manaus dizem ter que escolher quem terá assistência

Demanda por oxigênio da rede estadual de saúde, que era de cerca de 30 mil metros cúbicos por por dia em abril de 2020, no primeiro pico da pandemia, chegou a 76 mil metros cúbicos nesta quarta-feira

14/01/2021 - 17h54 - Atualizada em: 14/01/2021 - 19h46

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Manaus, saúde, Covid-19
Falta de oxigênio resultou na morte de pelo menos seis pacientes nas primeiras horas desta quinta-feira
(Foto: )

Com o aumento súbito da demanda por oxigênio e baixa oferta nos hospitais em Manaus (AM), médicos que atuam no tratamento de pacientes com Covid-19 relatam que estão tendo que escolher quais paciente serão assistidos. Profissionais que atuam no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) dizem que a falta de oxigênio na unidade, que se agravou entre a madrugada e o início da manhã desta quinta-feira (14), resultou na morte de seis pacientes nas primeiras horas do dia.

> Vacinação contra Covid-19 em Santa Catarina deve começar no dia 20 de janeiro

Eles alertam que mais óbitos podem ocorrer, uma vez que o estoque de oxigênio da unidade deve durar apenas mais algumas horas. O mesmo pode acontecer em outras unidades em Manaus, como Serviços de Pronto Atendimento e o Hospital 28 de Agosto, uma das unidades de referência para o novo coronavírus, onde o estoque de oxigênio também não deve durar até o fim do dia, contam médicos. 

> Renato Igor: O terror no Amazonas serve de alerta para Santa Catarina

> Sobe de 10 para 13 o número de regiões de SC em risco gravíssimo para coronavírus

A demanda por oxigênio da rede estadual de saúde, que era de cerca de 30 mil metros cúbicos por por dia em abril de 2020, no primeiro pico da pandemia, chegou a 76 mil metros cúbicos nesta quarta-feira (13). Profissionais de saúde estão usando as redes sociais para pedir doações de cilindros de oxigênio para a população. 

— A gente está sem oxigênio para os pacientes, a previsão é que acabe em duas horas. Já tivemos baixas de pacientes, então quem tiver oxigênio em casa sobrando, por favor, traga aqui para hospital — desabafou em um vídeo o médico intensivista do HUGV, Anfremon D'Amazonas Monteiro Neto.

> Vacinação contra Covid vai iniciar pelas capitais, diz Secretaria de Saúde

Outro médico que trabalha no HUGV relatou à reportagem que as primeiras horas do dia na unidade foram de tensão, após o nível de oxigênio atingir nível crítico, afetando todos os pacientes internados que utilizavam respiradores. 

— Hoje (14) é o pior dia do hospital desde o início da pandemia — relatou o profissional, que é residente na unidade.

> Recuperar-se de Covid-19 pode dar imunidade a 83%, mas não evita transmissão, indica estudo

Ele contou que, por volta de 8h desta quinta (14), o nível de oxigênio no HUGV chegou ao ponto mais crítico, levando a óbito cinco pacientes que estavam em ventilação mecânica no CTI e um que estava internado na enfermaria.

— A situação se agravou de uma forma muito rápida. É muito complicado, porque quando a rede de oxigênio baixa, todos os pacientes sofrem ao mesmo tempo, então você acaba tendo que priorizar pelo prognóstico, temos que escolher quem vai ser assistido — relatou.

> Golpe do Whatsapp: como denunciar perfis falsos

O médico diz ainda que a escassez de oxigênio preocupa ainda mais pelo fato de o HUGV ser a unidade de saúde preparada para desafogar os hospitais de referência para Covid-19, que estão perto da lotação máxima para leitos de UTI. Os cilindros de oxigênio doados por outras unidades, públicas e privadas, e pela própria população ao HUGV na manhã desta quinta, conta o profissional de saúde, não serão suficientes para garantir o atendimento até o fim do dia.

— Temos cilindros de oxigênio que vão durar algumas horas, mas ainda não sabemos quando a rede vai ser restabelecida — disse.

> Descartada variante mais transmissível da Covid-19 em testes de SC

Outra médica contou que, mesmo sem ser o plantão dela, foi para o HUGV na manhã desta quinta (14), após receber mensagens com pedidos de socorro de profissionais de saúde que atuam na unidade e ficaram desesperados com a falta de oxigênio. A preocupação, explica ela, é com os pacientes graves, que estão na UTI com uso de respirador, equipamento que não funciona perfeitamente sem oxigênio no nível adequado. 

Sem oxigênio, os pacientes precisam ser "ambusados", ou seja, dependem de uma pessoa manusear o ambu (aparelho manual de ventilação) de forma ininterrupta. O presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mauro Vianna, denunciou que a situação do HUGV está se repetindo em outras unidades de saúde da capital, onde "pacientes que precisam de oxigênio estão sendo ambusados, mantidos vivos pelo esforço dos profissionais médicos, enfermeiros e técnicos".

> SC aguarda análise de testes com suspeita de variante mais contagiosa do coronavírus

Vianna afirmou que os profissionais de saúde alertaram para essa situação, que ele classificou como terrível, e defendeu uma "operação de guerra" para repor o estoque dos hospitais de Manaus antes que todos fiquem sem oxigênio. 

— Transportar oxigênio de outros estados em caráter de guerra é uma necessidade para salvar vidas. E que Deus nos ajude.

*Por Mônica Prestes.

Leia mais

> Crimes virtuais: saiba como não cair em golpes nas redes sociais

Colunistas