nsc
hora_de_sc

Atualização

Como está o estado de saúde de Paulo Gustavo, internado com Covid-19

Último boletim médico foi divulgado no dia 4 de maio

06/04/2021 - 12h33 - Atualizada em: 04/05/2021 - 20h09

Compartilhe

Por Janaína Laurindo
Paulo Gustavo
Paulo Gustavo está internado desde 13 de março
(Foto: )

O boletim médico mais recente com mudanças no estado de saúde de Paulo Gustavo foi liberado nesta terça-feira (4). A nota informa que o ator tem sinais vitais presentes, mas o quadro é "irreversível". Ele segue internado na Unidade de Terapio Intensiva (UTI) do Hospital Copa Star, em Copacabana, no Rio.

> Médium escreve carta psicografada sobre Paulo Gustavo: mensagem seria de uma ancestral do artista

O boletim destaca que, "após a constatação da embolia gasosa disseminada ocorrida no último domingo, em decorrência de fístula brônquio-venosa, o estado de saúde do paciente vem deteriorando de forma importante."  

Em 19 de abril a amiga de Paulo Gustavo e diretora de cienam, Susana Garcia fez um relato em seu Instagram sobre uma visita ao amigo. "Te perguntei se você estava me ouvindo e pedi para você mexer a sua cabeça. Você mexeu duas vezes e tentou abrir a boca", escreveu a diretora.

No dia 30 de abril, Déa Lúcia Amaral, mãe Paulo Gustavo, publicou um desenho do filho ao lado de Irmã Dulce e pediu intercessão da santa brasileira pela recuperação do ator. Já o médico Thales Bretas, marido de Paulo Gustavo, mostrou um espaço especial da casa que compartilha com o marido e os dois filhos: o seu cantinho de oração. Ele gravou um vídeo mostrando o local e escreveu uma mensagem de força a Paulo.

> No início da pandemia, Paulo Gustavo já temia contaminação por covid-19: “Tenho medo de pegar isso e morrer”

A internação e o estado de saúde crítico do ator tem gerado uma comoção nacional. Com personagens icônicos, como a Dona Hermínia, inspirada em sua mãe, Déa Lúcia, protagonista da sequência de filmes "Minha Mãe É Uma Peça", Paulo tem uma relação muito próxima com seus fãs, que neste momento estão unidos enviando boas energias para a plena recuperação do humorista.

Evolução do caso de Paulo Gustavo

Paulo foi internado ainda em março após apresentar complicações da Covid-19. Em entrevista ao Fantástico, a amiga de Paulo, Susana Garcia, diretora de cinema e também médica, explicou como se deu a evolução do caso do ator.

“Ele já chegou na emergência com a saturação baixa, com falta de ar, já com parte do pulmão comprometida. Ele ficou dias assim, na luta, tentando fazer com que o pulmão melhorasse essa inflamação. Mas chegou o momento em que os médicos viram que ele não deu essa virada e ele precisou ser intubado”, explicou.

> Homem vira réu por sequestro de mulher que pulou de carro para se salvar em SC

> Celebridades pedem oração para Paulo Gustavo que está intubado com Covid-19

> Reginaldo Faria desmente boatos e prova que já tomou a vacina contra a Covid-19

Paulo Gustavo foi intubado no dia 21 de março. Na ocasião, a assessoria de imprensa do ator liberou uma nota para informar que Paulo Gustavo "necessitou entrar em ventilação mecânica invasiva, para ser tratado de forma mais segura".

Antes de ser intubado, segundo relato da amiga Suzana, ele olhou para o esposo, o dermatologista Thales Bretas e disse: “Te amo. Até já”.

O quadro foi progredindo lentamente, no dia 25 de março, Thales publicou uma mensagem em suas redes sociais para tranquilizar o público.

> Marido de Paulo Gustavo comemora: "os pulmões dele estão melhorando"

— Os pulmões dele estão melhorando e respondendo bem ao respirador. A melhora é progressiva, e embora seja um pouco mais lenta do que nós, ansiosos, gostaríamos, tenho certeza que em breve comemoraremos mais essa vitória! Vamos continuar confiantes, com muita fé e energia positiva, e que cada dia feliz acalente nosso coração como hoje.

Com os pulmões inflamados por conta da Covid, Paulo teve ainda uma infecção por bactéria: no dia 2 de abril, o humorista foi submetido a um novo protocolo, sendo iniciada a terapia por ECMO – Oxigenação por Membrana Extracorpórea, onde o sangue passa por um “terceiro pulmão” que oxigena o sangue fora do corpo. Ele é usado, normalmente, apenas em pacientes muito graves. A terapia faz com que os pulmões “descansem” para uma melhorar recuperação.

De acordo com o professor da Unicamp Orlando Petrucci, que também é cirurgião cardíaco e intensivista do Hospital Santa Catarina, em São Paulo, em média, de 10 a 12 dias já é possível ver uma evolução no quadro de pacientes com Covid-19 com esse recurso.

> Tratamento ECMO usado por Paulo Gustavo custa até R$ 35 mil

O marido de Paulo Gustavo, Thales Bretas, fez uma postagem em suas redes sociais no dia 7 de abril, para atualizar sobre o estado de saúde do ator, infomando que Paulo segue "melhorando aos pouquinhos" e que devido a terapia ECMO, oxigenação do sangue fora do corpo, foi preciso realizar uma transfusão de sangue.

"Sabemos que, por causa da ECMO ele tem que ficar anticoagulado, perde um pouco de sangue, e por isso precisou tomar algumas bolsas de sangue" - informou.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

No dia 11 de abril, um novo boletim médico informou sobre o estado crítico do ator: "as diversas complicações pulmonares já demandaram procedimentos invasivos como broncoscopias, pleuroscopias e colocação de dispositivos intrapulmonares". "Às fístulas bronco-pleurais identificadas e tratadas somaram-se a complicações hemorrágicas, mas que vêm respondendo, de certa forma satisfatória, à reposição dos fatores da coagulação deficitários", explicava a nota.

> "Ele segue como um guerreiro", diz marido de Paulo Gustavo

No dia 15 de abril, um comunicado já mostrava melhora no quadro clínico do artista. "Finalmente conseguimos sanar as fístulas bronco-pleurais identificadas", dizia o comunicado. "Nas últimas 48 horas, também observamos a normalização da coagulação com o tratamento instituído e não mais detectamos sinais de hemorragias." 

Novo boletim médico sobre o ator ​Paulo Gustavo, divulgado nesta segunda-feira, 19, informa que o artista está há quatro dias sem novas complicações. "O quadro clínico do paciente, embora ainda preocupante, é de estabilidade, com alguns sinais mais evidentes de recuperação das funções pulmonares".

Colunistas