nsc
an

MAIS INFECCIOSA

Como Joinville vai monitorar a nova variante do coronavírus

Pessoas atendidas em posto de saúde e hospital por onde passou o paciente infectado serão rastreadas

11/02/2021 - 17h07 - Atualizada em: 11/02/2021 - 21h36

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Clarissa
Por Clarissa Battistella
Nova cepa em SC
O paciente é um morador de Joinville e esteve em Manaus (AM) no início do ano
(Foto: )

Após a confirmação do primeiro caso da nova variante do coronavírus em Santa Catarina, a prefeitura de Joinville, criou uma estratégia para monitorar as pessoas que possam ter tido contato com a cepa mais infecciosa.

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

A prefeitura vai usar um modelo de monitoramento semelhante ao adotado pela Coreia do Sul, segundo o infectologista e coordenador da Vigilância em Saúde da cidade, Luiz Henrique Melo. O primeiro passo foi avaliar os familiares do joinvilense que esteve em Manaus (AM) no início do ano.

- Familiares não apresentaram sintomas, o que nos tranquilizou. Agora, ampliamos a avaliação em momento distintos, mas que acontecem simultaneamente - conta.

> Variantes do coronavírus: o que são e quais as diferenças entre elas

Além do cuidado com os familiares, os profissionais de saúde que tiveram contato com o paciente serão testados para Covid-19. A secretaria da saúde vai rastrear os pacientes que foram atendidos na UPA Leste e no Hospital Bethesda uma hora antes e depois do homem de 55 anos confirmado com a nova variante.

Também será feito um levantamento dos pacientes atendidos na UPA Leste no período de 16 a 30 de janeiro. O objetivo é monitorar se alguém teve sintomas ou testou positivo para Covid-19. Além disso, a prefeitura já pediu à Infraero a lista de passageiros que estiveram no voo de Manaus a Joinville para fazer o mesmo acompanhamento.

> Nova variante do coronavírus: Vigilância Sanitária não descarta casos em Chapecó

Caso alguma dessas pessoas tenha manifestado a doença, ela será procurada para fazer o sequenciamento genético, capaz de identificar a variação. 

- As pessoas estão assustadas com a mutação, mas ela não é uma exceção do vírus. Ela é uma regra. Quanto mais gente infectada, maior o número de mutações - disse, ainda, o infectologista.

> Como Santa Catarina enfrentará novas variantes do coronavírus como a de Manaus

Restrições e outras medidas já adotadas não serão alteradas

O coordenador da Vigilância em Saúde também afirmou que a estratégia de enfrentamento da pandemia não será alterada neste momento em Joinville. Segundo Melo, o que muda é a forma enfática que a prefeitura deve informar a população de que não é momento de baixar a guarda.

- A estratégia de flexibilização se baseia em alguns pilares: número de casos, leitos de UTI e capacidade do sistema de absorver os casos. São essa variáveis e outras circunstâncias. Então, o fato da nova variante aparecer podendo ser mais contagiosa faz a gente implementar o rastreamento - explica.

> Joinville multou 200 pessoas por descumprir isolamento domiciliar

A mudança de medidas sanitárias, com restrições ou flexibilizações, pode ser discutida apenas se houver uma aceleração no processo de transmissão do coronavírus sem que nenhuma outra variável sofra modificações. No entanto, permanece a orientação com os cuidados básicos.

- O fato de algumas coisas estarem liberadas não significa que a pessoas devam frequentar aglomerações porque pode ter uma circunstância de descontrole e vamos voltar ao processo anterior, o que seria muito frustrante - finaliza Melo.

Cidade com mais mortes em SC

A maior cidade de Santa Catarina também é a que acumula o número mais alto de mortes confirmadas por complicações da covid-19. Até esta quinta-feira (11), ao menos 659 pessoas perderam a vida na cidade por causa do coronavírus, segundo balanço estadual. 

Além disso, Joinville continua como o município com número mais alto de casos ativos, aqueles em tratamento e capazes de transmitir o vírus, com 1.994 pessoas, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde. 

Colunistas