nsc
dc

Coronavírus

Decretos sobre restrições em SC serão discutidos em reunião nesta sexta

Medidas em vigor valem até segunda-feira (12), e autoridades vão debater prorrogação ou alteração dos decretos

08/04/2021 - 17h47 - Atualizada em: 08/04/2021 - 17h53

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Coronavírus em Santa Catarina
Medidas contra o coronavírus em Santa Catarina serão decididas
(Foto: )

As próximas restrições contra o coronavírus em Santa Catarina serão debatidas pelo governo do Estado nesta sexta-feira (9). Uma reunião extraordinária do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) foi convocada para as 9h, com o objetivo de analisar os decretos em vigor, que são válidos até as 6h de segunda-feira (12).

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

> 11 pessoas morreram em SC à espera de leitos de UTI nos primeiros sete dias de abril​

Respeitando uma decisão judicial, o governo de Santa Catarina precisa levar ao COES todos os debates sobre os decretos da pandemia. Formado por representantes de órgãos técnicos e entidades da área da saúde, o grupo estratégico tem reuniões semanais às terças, mas recebeu a convocação extraordinária para esta sexta, conforme apuração do Diário Catarinense.

Na prática, o governo precisa decidir se prorroga as medidas em vigor por mais uma semana ou faz alterações nas restrições. No último domingo (4), a governadora em exercício Daniela Reinehr prorrogou as medidas que já existiam no Estado, alterando apenas o horário de proibição do consumo de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes.

Para os integrantes do COES, será a primeira reunião efetiva com a possibilidade de debate das restrições com a nova secretária de Saúde, Carmen Zanotto. Ela chegou a participar das últimas duas reuniões do grupo, mas de forma rápida e ainda nos primeiros dias no comando da pasta.

Entre parte dos membros do COES, há uma tendência de cobrança para medidas mais rígidas contra a pandemia. Em reunião nesta quarta (7), por exemplo, o Conselho Estadual de Saúde decidiu levar novamente ao Estado a cobrança por ações duras de isolamento social, inclusive com os exemplos de cidades como Lages e Chapecó, que reduziram o número de casos ativos com o fechamento de alguns serviços.

A posição do Conselho Estadual de Saúde, que integra o COES, segue ainda as recomendações feitas no mês passado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), em carta que cobrou ações como o fechamento de praias, escolas e toque de recolher nas regiões com ocupação de UTIs acima de 85%. Há mais de um mês Santa Catarina convive com a taxa perto de 100%, com fila de espera por leitos para pacientes com Covid-19.

Leia mais

Fiscalização interdita beach clubs que descumprem restrições contra Covid-19 em Florianópolis

"Não vai ter lockdown nacional", diz Bolsonaro em Chapecó um dia após Brasil registrar 4,2 mil mortes

Opinião: Bolsonaro em Chapecó prova que “tratamento precoce” funciona como narrativa política

Colunistas