nsc
dc

PRIMEIRO DIA DE DECRETO

Em lockdown, SC registra ocorrências de desrespeito e aglomeração

No Litoral, banhistas ignoraram os decretos e foram às praias

27/02/2021 - 18h44 - Atualizada em: 27/02/2021 - 21h02

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
O Centro da Capital ficou vazio, mas as praias tiveram cenas de desrespeito
O Centro da Capital ficou vazio, mas as praias tiveram cenas de desrespeito
(Foto: )

As equipes de fiscalização tiveram trabalho no primeiro dia de lockdown em Santa Catarina, para dispersar as pessoas que foram às praias e parques ou que abriram os comércios, o que está proibido no Estado durante dois fins de semana. 

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

As regras mais rígidas foram anunciadas pelo governo estadual na última quinta-feira (25), após uma reunião de emergência convocada pelo governador Carlos Moisés da Silva (PSL), para conter o avanço da Covid-19. As medidas permitem apenas a abertura de serviços essenciais, como hospitais, farmácias, mercados, entregas e transporte, e são válidas entre as 23h de sexta-feira e as 6h de segunda, neste fim de semana e no próximo.

Florianópolis

Em Florianópolis, pessoas ignoraram as normas e foram para a Beira-Mar já pela manhã deste sábado (27), onde foram vistas caminhando, correndo ou andando de bicicleta. No Parque de Coqueiros, no Continente, o movimento foi menor, mas também ocorreu.

O que é lockdown e como a medida de isolamento serve contra a Covid-19​

Já no Centro da capital, quase ninguém foi visto andando pelas ruas. Um cenário condizente com as medidas anunciadas para conter a pandemia. 

Centro Floripa
Centro de Florianópolis no primeiro sábado de lockdown
(Foto: )

Mesmo assim, uma loja da Havan foi fechada pela Polícia Militar na região central da cidade por descumprir o decreto que impõe restrições aos fins de semana. 

O estabelecimento estava aberto apesar das medidas anunciadas na quinta-feira (25) e, por não ser considerado serviço essencial, teve as atividades encerradas pela fiscalização. A interdição ocorreu porque a atividade primária do local não é a venda de alimentos, apesar de alguns produtos do gênero serem comercializados lá.

Praias da Capital

Já nas praias no Norte da Ilha de SC, inúmeras foram as ocorrências. Em Jurerê Internacional (foto abaixo), durante o meio-dia, banhistas se instalaram da faixa de areia, fizeram atividades físicas e usaram as quadras de esportes. A Polícia Militar esvaziou a área.

A circulação e a permanência nas praias estão proibidas. 

A Polícia Militar precisou dispersar banhistas da faixa de areia e quadras de esportes em Jurerê Internacional
A Polícia Militar precisou dispersar banhistas da faixa de areia e quadras de esportes em Jurerê Internacional
(Foto: )

Canasvieiras e Ponta das Canas

O mesmo ocorreu em Canasvieiras e Ponta das Canas, onde equipes da Guarda Municipal e da Vigilância Sanitária fizeram as dispersões. 

Em Canasvieiras, banhistas também foram encontrados na faixa de areia
Em Canasvieiras, banhistas também foram encontrados na faixa de areia
(Foto: )

Da mesma forma, veranistas foram orientados a sair da areia em Ponta das Canas
Da mesma forma, veranistas foram orientados a sair da areia em Ponta das Canas
(Foto: )

Costão do Santinho

No Costão do Santinho, cenas de desrespeito foram flagradas dentro de um resort. O hotel estava lotado e os hóspedes utilizavam a piscina e as demais áreas comuns, o que também é proibido. O estabelecimento teve os espaços interditados e vai responder um procedimento administrativo.

Costão do Santinho
Costão do Santinho
(Foto: )

Joaquina

Com sistema de megafone, os bombeiros passaram nas praias e orientaram os veranistas sobre o decreto, além de isolarem os acessos de algumas praias com fitas zebradas. Na Joaquina, no entanto, os banhistas se instalaram na areia e ignoraram o pedido para que saíssem, feito pelos guarda-vidas (assista no vídeo). 

Morro da Lagoa

No Morro da Lagoa, já durante a noite deste sábado, uma festa clandestina foi frustrada pelas equipes da prefeitura de Florianópolis. No local, um grupo de aproximadamente 100 pessoas foi flagrado. 

Morro da Lagoa teve festa clandestina encerrada por agentes de fiscalização
Morro da Lagoa teve festa clandestina encerrada por agentes de fiscalização
(Foto: )

A Guarda Municipal e a Vigilância Sanitária chegaram na casa pouco depois das 20h30min. As luzes, que estavam apagadas, foram acesas pelos agentes. Havia música em caixas de som, interrompidas pela ação de fiscalização. 

As reuniões entre pessoas que não pertencem ao mesmo núcleo familiar estão proibidas, conforme decreto, mesmo dentro das residências.

São José

Em São José, na Grande Florianópolis, o Procon interditou um shopping center e outros quatro estabelecimentos por sete dias por por descumprimento do decreto estadual. 

Algumas lojas de brinquedos infantis e telefonia estavam funcionando. A assessoria de imprensa do shopping disse que estava cumprindo o decreto, permanece fechado ao público, com apenas as operações de alimentação.

Estabelecimentos interditados por sete dias em São José
Estabelecimentos foram interditados por sete dias em São José
(Foto: )

Outras regiões

Embora em menor número, algumas pessoas insistiram no desrespeito ao que regulamenta o decreto.

Na Praia Brava, em Itajaí, dois decretos proíbem o uso da faixa de areia. O estadual, aos fins de semana, e o municipal durante todos os dias. Fitas zebradas, inclusive, fecham os acessos para deixar claro sobre a proibição, mas não são suficientes. 

Praia Brava, Itajaí
Praia Brava, Itajaí
(Foto: )

No Sul de SC, na noite de sexta-feira (26), 22 estabelecimentos foram fiscalizados e cinco abordagens foram feitas para encerrar festas em Tubarão.

Em Joinville, no Norte, também teve força-tarefa. Até o início da tarde deste sábado (27), seis estabelecimentos foram interditados e 12, notificados, segundo a NSC TV. Locais que já descumpriram normas antes do decreto foram flagrados novamente desrespeitando medidas sanitárias.

Em Chapecó, no Oeste, os mercados também são fiscalizados para que não haja aglomerações e descumprimento das normas sanitárias. Cinco estabelecimentos foram autuados. 

A cidade, que vive o colapso na rede de saúde há cerca de um mês, tem regras ainda mais rígidas do que as decretadas pelo Estado ao longo da semana. Desde a última terça-feira (23), a prefeitura decretou toque de recolher e determinou o fechamento de todos os serviços não essenciais. 

Neste sábado (27), um novo decreto publicado estende o fechamento do comércio por mais uma semana. 

Leia também

​​​Falta de UTI faz médico de Florianópolis escolher entre pacientes para internação

Colunistas